22 C
Serra
segunda-feira, 19 de outubro de 2020

É a lama… é a lama… é a lama…

Leia também

Estudo internacional vai avaliar risco de câncer com o pó preto

Avaliar a contaminação por metais no corpo humano e em animais aquáticos da Grande Vitória expostos ao pó preto,...

Alerta | Tuberculose já contaminou quase 100 pessoas este ano na Serra

Quase 100 pessoas foram infectadas pela tuberculose na Serra. Segundo a Prefeitura da Serra até hoje (19), 97 casos...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Por Bruno Lyra

É esdrúxula a decisão da Justiça Federal em Minas Gerais de suspender o processo criminal contra a Samarco (Vale + BHP) pelas 19 mortes provocadas pelo rompimento da barragem de rejeitos da extração de minério de ferro em Mariana – MG, em novembro de 2015. Além das mortes, o maior desastre/crime ambiental da história do país e um dos maiores da história da humanidade devastou o rio Doce, segue contaminando o litoral capixaba com lama, metais pesados, afetando a vida de milhões de pessoas na bacia do rio Doce, com impacto econômico e cultural sem precedentes na região.

Impacto esse que atingiu muitos mineiros e praticamente toda a população capixaba, que com a paralisação da Samarco, viu a crise econômica brasileira ganhar contornos especialmente dramáticos no Espírito Santo, estado que viu seu PIB recuar dois dígitos desde então.

Tão esdrúxulo quanta a decisão do juiz Jacques de Queiroz Ferreira foi o argumento da defesa dos gestores da Samarco à época do rompimento, Ricardo Vescovi e Kleber Terra, alegando que a quebra de sigilo telefônico dos dois ultrapassou período judicialmente autorizado e que as conversas foram analisadas pela Polícia Federal e usadas pelo Ministério Público Federal (MPF) na denúncia.

Com a suspensão do processo, fica escancarada a injustiça neste caso. O detalhe ainda mais sórdido é que, em março, o judiciário também suspendeu os cerca de 70 mil processos movidos contra a mineradora referentes à perda da qualidade da água no rio Doce e desabastecimento de pessoas. Muitos desses processos corriam nos Juizados Especiais das cidades atendidas pelo rio Doce, os quais a Samarco alegou não terem competência para tal.

Tais acontecimentos mostram o quanto o setor de mineração/siderurgia tem força para “influenciar” o estado brasileiro. Do executivo ao legislativo, passando pelo judiciário. É a vitória do interesse coorporativo sobre o coletivo. A grande desgraça capixaba é ter sua economia tão dependente desse segmento.  

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Alerta | Tuberculose já contaminou quase 100 pessoas este ano na Serra

Quase 100 pessoas foram infectadas pela tuberculose na Serra. Segundo a Prefeitura da Serra até hoje (19), 97 casos da enfermidade foram confirmados na...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!