20.3 C
Serra
sábado, 06 de junho de 2020

Réquiem do meio ambiente

Leia também

Mudanças no primeiro escalão da Prefeitura da Serra

Dois secretários municipais, Luciana Malini e Jolhiomar Massariol, foram remanejados entre secretarias da Mulher e da Coordenadoria de Governo...

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Por Bruno Lyra

A agenda ambiental sumiu nesta eleição. Na tensa corrida presidencial, o assunto passa praticamente batido. A exceção de Marina Silva, que tocou na questão energética e da Amazônia. Interessante é que dentre os candidatos competitivos, é a que mais vem perdendo espaço.

Na corrida ao Palácio Anchieta, a questão ambiental também não tem tido relevância no discurso e no marketing eleitoral. O mesmo vale para candidaturas ao Senado, Câmara e Assembleia Legislativa.

Não é fortuita a ausência de um assunto que já foi mais trabalhado em eleições passadas. Coincide com a onda neoconservadora e reacionária que ascende no mundo. O Brasil não é exceção. O tema Meio Ambiente vem levando tanta pancada que não parece saudável para as candidaturas exporem isso em 2018.

Se em meados da década de 2000 o Brasil conseguiu frear a destruição da Amazônia, depois, contraditoriamente, as questões ambientais viraram sinônimo de burocracia. Na sequência vieram as mudanças legais que enfraqueceram a proteção a natureza, há inclusive projeto de lei no Congresso para acabar com licenciamento ambiental.

No mundo, cresce a voz dos que negam o aquecimento global. Emblemática a saída dos EUA do acordo de Paris. Enquanto isso, no Brasil, doenças erradicadas voltam com a negativa de pessoas em tomar vacina. O que diria Copérnico vendo gente defender que a Terra é plana em pleno século XXI?

E o que dizer dos brasileiros que mataram macacos durante o surto de febre amarela, apesar do alerta de que os bichos não são vetores, mas sentinelas da doença?  A sensibilidade humana para a questão ambiental, depois de um breve florescer nas décadas passadas, está retrocedendo.

A moda é o discurso de segurança que topa até abrir mão de direitos civis e valores democráticos. Se não cabe nessa narrativa nem as pessoas mais pobres, imagine o meio ambiente.  

Que no caso da Serra, vai mal. Rios, lagoas e praias poluídos por esgoto. Reservas ambientais abandonadas e até reduzidas, caso da Apa Mestre Álvaro. Cinturões verdes e alagados sendo ocupados. Política de coleta de lixo e entulho estacionada.  E até os rios que abastecem a cidade, o Santa Maria e o Reis Magos, negligenciados como se fossem qualquer coisa.

 

Comentários

Mais notícias

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente do coronavírus. Isso porque já...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!