19.5 C
Serra
sexta-feira, 05 de junho de 2020

(i)responsabilidade de vereadores

Leia também

Deputado defende redução de gastos do Governo com publicidade

A Assembleia Legislativa endereçou ao Governo do Estado Indicação 927/2020 para que  apenas realize despesas com publicidade e propaganda...

Cesan vai ter que devolver tarifa de esgoto cobrada indevidamente, diz líder comunitário

A Cesan vai devolver tarifas de esgoto cobradas indevidamente de moradores de Balneários Carapebus. É o que afirma o...

MPF aponta que ES tem menos leitos de UTI do que constam nos dados oficiais

Na tarde desta quinta-feira (4) o Ministério Público Federal (MPF) fez uma denúncia preocupante para o Espirito Santo. O órgão...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Yuri Scardini 

“Nos orgulhamos desta invicta terra, recamada de glória e de beldade. E havemos de fazer de nossa Serra um sublime rincão, linda cidade […] avante serranos, trabalharemos confiantes num porvir mais bonançoso. A bem da Serra, unidos, caminhemos, para poder alcançar viver ditoso […] Não espero que percamos este ensejo. De rever nossa Serra mais querida”.

Estes são trechos do hino da Serra, um dos elementos de formação de identidade de nossa cidade, mesmo que desconhecido para grande parte dessa população que provém do caos migratório a partir dos anos 70. O hino foi escrito pelo professor Jaime de Abreu nos anos 60. A letra foi pensada para homenagear serranos ausentes. Mas talvez, nunca tenha sido tão contemporânea.

Ausência. É o sentimento que permeia o coração daqueles minimamente ligados com a vida, a história e o tempo da Serra. Paradoxalmente, essa ausência é representada exatamente por quem deveria nos representar. O extratado político mais próximo da população, ou seja, a Câmara e seus vereadores que deram as costas para seu povo, num processo político peçonhento e fisiológico, que já sobrepujou para a justiça e a polícia e caminha a passos largos para a tragédia.

Vereadores resgatem sua lucidez e olhem por aqueles que vivem as mazelas existenciais. Ainda há tempo de resgatar a si desse processo de embriaguez do poder e do abismo ególatra. Prefeito e vereador um dia passarão, tornando-se elementos de um passado vetusto. Mas o legado deixado por cada ficará. Como querem entrar para a história? Não vale tudo pelo poder.

Que haja diálogo entre os Poderes. A política da Serra ficou personalista à beira da irracionalidade. Voltamos ao século passado através dessa bandalheira. Conversando com figuras mais tradicionais do município, observa-se a lamentável vergonha ao falar da Câmara. Conversando com suplentes de vereadores, observa-se o alívio da reserva. Uma cidade tão próspera, uma pena.   

Comentários

Mais notícias

Cesan vai ter que devolver tarifa de esgoto cobrada indevidamente, diz líder comunitário

A Cesan vai devolver tarifas de esgoto cobradas indevidamente de moradores de Balneários Carapebus. É o que afirma o líder comunitário local, Anderson Muniz....

MPF aponta que ES tem menos leitos de UTI do que constam nos dados oficiais

Na tarde desta quinta-feira (4) o Ministério Público Federal (MPF) fez uma denúncia preocupante para o Espirito Santo. O órgão disse em sua denúncia que...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!