A nova economia clama por um tributo mais “conectado”  | Portal Tempo Novo

Serra, 11 de dezembro de 2018

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Mestre Álvaro

por Eci Scardini

Serra, 7 de dezembro de 2018 às 13:02

A nova economia clama por um tributo mais “conectado” 


Por Rafael Aguirrezábal

A necessidade de simplificação tributária é algo próximo de consenso no país. Nesse momento, estão em análise três propostas, que exigirão debate com o congresso, por exemplo, no que tange à atualização dos impostos com a nova realidade da economia, focada nas plataformas digitais e serviços.

Existe um ponto de intersecção entre as propostas em debate, que preveem uma unificação de impostos nas três esferas, consolidados na possibilidade de um IVA (imposto sobre o valor agregado) nacional. Os esforços convergem para um caminho de simplificação necessário é fato, porém ao passo que os setores da economia tradicional serão beneficiados de maneira mais imediata, ainda faltará um olhar mais cuidadoso para a tributação dos setores digitais, de tecnologia e financeiros que vão girar o desenvolvimento do país de maneira progressiva.

É importante pensar em formas de tributar as empresas que fornecem bens e serviços num contexto de economia digital, não só na tributação da renda, mas também no consumo.

Outra necessidade é de que as Administrações Tributárias precisam se modernizar, não só na aquisição e domínio de ferramentas de big data, machine learning e blockchain, mas também na capacitação dos Auditores Fiscais como cientistas de dados.

A resposta não é simples, porém com sua expertise e capilaridade, onde a atividade econômica entre as pessoas de fato acontece, nos mais de 5,5 mil municípios do país, o tributo mais próximo de servir a esse propósito, sem desviar energia do governo federal, acaba sendo o Imposto sobre o Serviço (ISS).

Evidente que há de se debater uma norma padrão para o imposto, em linha com os modelos em análise no Brasil, além de se trabalhar por uma unificação de obrigações assessórias, notas fiscais e documentos de arrecadação e, principalmente, pela consolidação de um sistema eficaz de consórcios para Administrações Tributárias de pequenos municípios, capaz de gerar segurança para o desenvolvimento dessas novas atividades.

Além de ser uma questão vital sobre a simplificação tributária no país, é também um ponto de atenção para garantir coerência com a própria agenda federal, que preza por uma gestão técnica com mais Brasil e menos Brasília.

Rafael Aguirrezábal

Diretor de Assuntos Estratégicos da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais de Tributos dos Municípios e Distrito Federal (Anafisco)




O que você acha ?

Você concorda com a saída de Cuba do Mais Médicos?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Veja também

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por