25.9 C
Serra
sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

A história enviesada do lixo… | Leia o editorial do Tempo Novo

Leia também

Chuvas | Serra antecipa limpeza de bueiros e valas

Áreas de instabilidade se intensificaram sobre o mar e avançaram para o Espírito Santo espalhando nuvens carregadas sobre algumas...

Cinquenta voluntários da Serra vão ajudar na limpeza de Iconha

Muitas doações de produtos de limpeza, alimentos e roupas estão chegando ao município de Iconha, devastado por chuvas que...

Morador pede bueiros em ruas de Portal de Jacaraípe – Confira no ‘Pronto, Flagrei’

Morador do bairro Portal de Jacaraípe, Cleiton Luiz, reclama da ausência de bueiros em diversas ruas da comunidade. Segundo ele,...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Por Eci Scardini

A entrada da EngeUrb para a execução dos serviços de varrição de vias, coleta de lixo domiciliar e hospitalar na Serra se deu em meados de 1997, durante o primeiro ano do primeiro governo de Sérgio Vidigal à frente da Prefeitura da Serra.

Anteriormente, os serviços eram prestados pelo Consórcio STA, formado por uma empresa argentina e duas brasileiras, que venceram a licitação durante a administração de Adalto Martineli. Em janeiro de 1992, último ano de Martineli como prefeito, o Consórcio STA começou a operar no modelo de concessão por 25 anos, renovável por mais 25.

João Baptista da Motta foi eleito prefeito em 1992, assumiu em 1993 e manteve o contrato sem nenhum percalço até final de 1995. No ano seguinte, 1996, com a promulgação da Lei Kandir pelo Governo Federal, a Serra registrou uma perda de receita muito grande, entrando em sérias dificuldades financeiras devido à desoneração das exportações de materiais semielaborados – no caso, o aço produzido pela CST, carro-chefe da economia local.

Como prestadora de serviços municipal, a STA passou a sofrer atrasos nos recebimentos, mas persistiu até findar o governo Motta.

A eleição de Vidigal para prefeito, em 1996, fez emergir o empresário Fernando Camargo, que no passado havia tido experiências empresariais com o pai de Vidigal. Camargo operava na Serra com a Pitanga Mineração e com a Incospal, na área de pré-moldados de concreto.

Com o agravamento da situação financeira do Consórcio STA, Camargo viu a oportunidade e constituiu a EngeUrb, empresa na área de saneamento básico, e com a anuência do executivo, adquiriu o contrato de concessão do Consórcio e passou a executar os serviços. Isso em meados de 1997.

Da entrada da EngeUrb até a sua saída, no último dia 3 de janeiro, os serviços foram realizados a contento. Independentemente de estar recebendo em dia ou não, de ter um saldo financeiro gigante a seu favor na Prefeitura e das ameaças e questionamentos que sempre pairavam sobre o seu contrato, a EngeUrb não deixou de executar os serviços e, nesse período, as reclamações foram poucas. Exceto em algum momento de greve da categoria.

… e o fim de uma novela

Em tese, o contrato de concessão venceria em janeiro de 2012. Mas esse assunto teve tantas idas e vindas, muitas ficando apenas na frieza peculiar dos processos judiciais. Sem virem a público que já não dá para dizer com segurança se o que está posto é isso mesmo; não dá para afirmar onde termina a razão de um e começa a do outro.

No final de 2012, o então prefeito Sérgio Vidigal, sob ordem judicial, renovou o contrato com a EngeUrb por mais 20 anos e fez um acordo com a empresa, parcelando em 96 vezes uma dívida de R$ 51 milhões, gerando uma fatura mensal de pouco mais de R$ 535 mil. Vidigal, na sua saída, pagou a primeira e Audifax, assim que assumiu, em janeiro de 2013, pagou a segunda e o caso foi parar nos tribunais de Contas, Justiça e no Ministério Público, de forma que hoje não se sabe mais o tamanho dessa conta e se houve novos passivos, em função de resíduos mensais que ficaram para trás e de reajustes que não foram aplicados.

A relação Prefeitura x EngeUrb, com o tempo, ficou tão bagunçada que de concessão virou contrato de nove anos, enquanto a lei prevê cinco. As idas e vindas dessa relação foram parar na Justiça, com o Município sempre ganhando na 1ª instância, na 2ª e até no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A partir da metade do ano passado, o prefeito Audifax Barcelos, acatando ordem judicial e sob cobrança do Ministério Público, promoveu um processo licitatório, que consagrou a Corpus Saneamento e Obras como vencedora.

Uma ‘novela’ de 28 anos que chega ao fim; tem ainda muita discussão na Justiça e que algum dia o desfecho dessas discussões vai bater à porta da Prefeitura. Mas o prefeito Audifax Barcelos teve coragem de enfrentar o problema e vencê-lo. Começa uma nova etapa na prestação dos serviços de varrição, coleta de lixo domiciliar e hospitalar. É torcer para que o contribuinte fique satisfeito com o daqui para frente.

 

Comentários

Mais notícias

Cinquenta voluntários da Serra vão ajudar na limpeza de Iconha

Muitas doações de produtos de limpeza, alimentos e roupas estão chegando ao município de Iconha, devastado por chuvas que atingiram o sul do Espírito...

Morador pede bueiros em ruas de Portal de Jacaraípe – Confira no ‘Pronto, Flagrei’

Morador do bairro Portal de Jacaraípe, Cleiton Luiz, reclama da ausência de bueiros em diversas ruas da comunidade. Segundo ele, basta chover um pouco mais...

Pague 26 e leve 23 | Confira a coluna Nó da Gravata desta sexta (24)

Pague 26 e leve 23 Após os vereadores de oposição colocarem o ‘pé na porta’ contra a posse do suplente de vereador Fábio Latino (PSB),...

A Serra tem meio milhão de incapazes? Leia a opinião do TN

Quando o chefe dos índios temiminós Maracajá-guaçu e o padre jesuíta Brás Lourenço, em 1556, fundaram a Aldeia de Nossa Senhora da Conceição da...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem