25.5 C
Serra
quinta-feira, 04 de junho de 2020

Vitória não é da Serra

Leia também

Conta de luz | Bandeira tarifária permanecerá verde até dezembro

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) decidiu manter a bandeira verde acionada até 31 de dezembro de 2020....

Serra reduz burocracia para mais dez negócios

Clínicas médicas, odontológicas e veterinárias, mesmo com procedimento cirúrgico, entre outras atividades de baixo impacto ambiental, agora estão dispensadas...

Coronavírus: 676 profissionais de saúde da Serra já foram contaminados

Dos 2.887 casos confirmados da Covid-19 na Serra, 676 são de profissionais da saúde, que trabalham na linha de...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Por Bruno Lyra

No último dia 3 de abril, foi publicada a resolução da Agência Nacional de Mineração (ANM) que altera a forma de distribuição dos royalties da mineração. Agora, municípios não produtores, mas que são impactados pela atividade minerária como operações portuárias com minério, poderão receber.

A princípio, é uma boa notícia para o Espírito Santo, que nessa década foi prejudicado com o fim do Fundap e com a mudança nas regras de distribuição dos royalties do petróleo, que também passaram a ser direcionados para estados não produtores.

Não será esta, porém, uma medida para atenuar a péssima imagem do setor de minério após o rompimento das barragens em Mariana e Brumadinho, ambas em Minas Gerais, e justificar a manutenção do atual modelo de produção? Só o tempo dirá.

Outra reflexão é salutar para Serra e até para outras cidades da Grande Vitória impactadas pelas operações nos portos do Complexo de Tubarão. É que, a princípio, só Vitória poderá ser beneficiada pelos royalties referentes à movimentação de minério de ferro no porto, uma vez que, oficialmente, os portos operados pelas mineradoras ficam no território da capital.

Para a Serra, poderá vir um valor bem mais modesto por ter ferrovia, pela qual o produto é transportado. Se de fato os royalties referentes à movimentação de minério nos portos forem só para Vitória, será uma imensa injustiça. E tal injustiça já existe em relação à tributação ao complexo siderúrgico operado por Vale e Arcelor, em que os impostos municipais incidentes sobre as atividades nas oito usinas de pelotização da Vale e nos portos de Praia Mole e Tubarão são faturados em Vitória. E metade do complexo de fabricação de aço da Arcelor – não obstante o fato de a empresa estar em território da Serra – também é faturado em favor da capital.

Vale muito as lideranças da Serra ficarem de olho para a cidade não ser, mais uma vez, prejudicada por interesses da elite política e econômica da capital. Afinal, os acessos rodoviários e ferroviário ao complexo ficam na Serra. O pó preto e os gases siderúrgicos também assolam o morador serrano tanto quanto quem reside na capital. Além disso, há controvérsias quanto à divisão territorial entre as duas cidades e o complexo de Tubarão.

Comentários

Mais notícias

Serra reduz burocracia para mais dez negócios

Clínicas médicas, odontológicas e veterinárias, mesmo com procedimento cirúrgico, entre outras atividades de baixo impacto ambiental, agora estão dispensadas de licenciamento na Serra. A Secretaria...

Coronavírus: 676 profissionais de saúde da Serra já foram contaminados

Dos 2.887 casos confirmados da Covid-19 na Serra, 676 são de profissionais da saúde, que trabalham na linha de frente do combate à doença....

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!