20.3 C
Serra
sábado, 06 de junho de 2020

Um inédito segundo turno na Serra

Leia também

Mudanças no primeiro escalão da Prefeitura da Serra

Dois secretários municipais, Luciana Malini e Jolhiomar Massariol, foram remanejados entre secretarias da Mulher e da Coordenadoria de Governo...

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Nunca houve segundo turno de eleição municipal na Serra. Essa experiência ainda está por acontecer. A cidade, que guarda tradições históricas e culturais, parece questionar isso na política também.

Desde os idos, sempre duas facções dominaram a política local. Entre os anos 60 a 80 essa peleja trazia as marcas “Feu Rosa” e “Castelo”. E caso algum candidato não trouxesse nome ou brasão das famílias, haveria que ter a chancela duma ou doutra.

Quando a chaminé-do-chão-de-fábrica superou a roça-de-abacaxi e a expansão urbana trouxe gente demais pra cá, isso influenciou a mudar o perfil das lideranças, mas não a dualidade.

Em 1982, sem tradição ou afinidade com as famílias, João Batista Mota desbancou velhas oligarquias, elegendo-se prefeito no sopro dos ventos da redemocratização brasileira. Cumpriu mandato de seis anos e lá vem de volta Zé Maria, o Cabeça Fria. Assassinado, foi o último do clã no Executivo municipal. E Mota retornou em 92 pro segundo mandato.

Quando o médico Sérgio Vidigal se elegeu, derrotou João Miguel, irmão de Zé Maria e na sua reeleição, mal, mal, teve competidor. Aliados, o economista Audifax Barcelos sucedeu ao psiquiatra Vidigal. Romperam e inauguraram novo duelo, com direito a cenas nos próximos capítulos.

Mas, nessa cidade com quase 300 mil eleitores e locomotiva econômica do Estado, que farão os novos atores desta cena política? Que farão Givaldo (PT), Vandinho (PSDB) e Bruno Lamas (PSB)? Assistirão a partida do alto da arquibancada?  Ou levarão o jogo pra prorrogação?

 

Comentários

Artigo anteriorCharge da semana:
Próximo artigoQuem será o herói?

Mais notícias

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente do coronavírus. Isso porque já...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!