22 C
Serra
segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Samarco entre risos e choros

Leia também

Estudo internacional vai avaliar risco de câncer com o pó preto

Avaliar a contaminação por metais no corpo humano e em animais aquáticos da Grande Vitória expostos ao pó preto,...

Alerta | Tuberculose já contaminou quase 100 pessoas este ano na Serra

Quase 100 pessoas foram infectadas pela tuberculose na Serra. Segundo a Prefeitura da Serra até hoje (19), 97 casos...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Bruno Lyra 

A Samarco (Vale + BHP Billiton) recebeu na última segunda-feira (11) duas licenças da Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Minas Gerais (Semad). A obtenção dos documentos é o primeiro passo para que a mineradora volte a operar, já que ainda depende de mais autorizações. A empresa prevê retorno gradual das operações no 2º semestre de 2018.

É uma boa notícia para a economia capixaba, que viu o PIB despencar em mais de 10% após a paralisação da empresa, que faz pelotas de minério na usina de Anchieta e exporta pelo porto de Ubu, ambos no sul do estado. Para a economia da Serra também, uma vez que na cidade estão prestadoras de serviço e fornecedoras das atividades da Samarco em Anchieta.

Na outra ponta, o desastre/crime ambiental de Mariana foi devastador para o meio ambiente e para a sociedade mineira e capixaba. Os rejeitos permanecem no vale do rio Doce, descendo aos poucos para o mar capixaba, onde já atingiu uma área do sul da Bahia até o norte do Rio de Janeiro. 

As ações de mitigação e reparação aos atingidos tocados pela fundação criada pela Samarco, a Renova, são alvo de duras críticas pela lentidão e baixa eficiência em Minas. Críticas que são ainda mais severas quanto à reparação dos capixabas diretamente prejudicados. 

Isso sem contar os atingidos indiretamente, caso dos que perderam emprego na Serra, Anchieta ou Guarapari, por exemplo. O argumento de que a empresa precisa voltar a operar para pagar isso tudo é frágil, uma vez que as gigantes multinacionais Vale e BHP deveriam assumir, desde o 1º minuto do desastre, o ônus pela barbeiragem da joint venture que criaram.

Soa absurdo a Samarco obter licenças sem pagar as multas ambientais nem indenizar adequadamente a vida de quem ela arruinou. O mesmo vale para a falta de restauração ambiental. É uma tragédia crônica de prazo indeterminando. Basta ver a cor grená-alaranjada das águas do rio Doce e do mar de Regência nesses tempos de chuva.  

 

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Alerta | Tuberculose já contaminou quase 100 pessoas este ano na Serra

Quase 100 pessoas foram infectadas pela tuberculose na Serra. Segundo a Prefeitura da Serra até hoje (19), 97 casos da enfermidade foram confirmados na...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!