21.1 C
Serra
sábado, 16 de novembro de 2019

Prós e contras do Contorno

Leia também

Óleo já está em Nova Almeida e Jacaraípe e ameaça também água de serranos

Aconteceu. O petróleo que contamina há mais de dois meses a costa do Nordeste chegou às praias da Serra....

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Pelo avançar da obra, é possível que o Contorno do Mestre Álvaro fique pronto em dois anos. Essa é, provavelmente, a maior obra de infraestrutura em curso no Espírito Santo e vai provocar profunda mudança na cidade, com pontos positivos e negativos.

De positivo, a retirada do tráfego de passagem entre Carapina e Serra Sede, principalmente do de cargas. Isso vai melhorar a fluidez e a segurança trânsito, num dos trechos apontados pela PRF como um dos mais letais de toda a BR 101 no Brasil, além de mais qualidade de vida para o morador, redução de custos e maior produtividade para os negócios locais. Tem potencial, inclusive, para aumentar a competitividade do parque logístico da Serra, o maior do ES.

Também pode ser positiva a abertura de novas frentes de ocupação – desde que organizadas – e investimentos na cidade, sobretudo na região dos polos TIMS, Piracema e Jacuhy (ao sul), e Serra Norte na outra extremidade da futura via, que terá 18,9 km.

Há vantagens, também, no decorrer da obra, com a geração de empregos e ativação de rede de fornecedores e prestadores de serviço. Tem, ainda, a valorização imobiliária no entorno e injeção de dinheiro na economia local com o pagamento de indenizações dos terrenos usados.

De negativo, a degradação ambiental, com impacto nos alagados e áreas de turfa. A nova pista será uma barreira física para animais silvestres – muitos ameaçados de extinção – que transitam no corredor ecológico Duas Bocas x Mestre Álvaro. Sem contar o risco de ocupações desordenadas em áreas ambientalmente sensíveis. Com a abertura de novas frentes de ocupação, a Serra terá sua planta urbana esticada ainda mais, encarecendo serviços públicos como coleta de lixo, por exemplo.

Há, ainda, a possibilidade de prejuízos para setores que se beneficiam do fluxo de passagem no atual trecho da 101 na Serra. Postos de gasolina, restaurantes de beira de estrada, borracharias e outras prestadoras de serviços automotivos – que, inclusive, têm em Jardim Limoeiro um importante polo no ES – podem perder negócios. Até alguns setores do comércio, como lojas de autopeças e atacarejos, também podem ser afetados.

Comentários

Mais notícias

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de café, seu consumo diário de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro na água  e a alta...

Chuva alaga Vale e eleva risco de vazamento de rejeitos em Tubarão

Localizada na divisa entre Serra e Vitória, a planta industrial de Tubarão da Vale também não escapou dos alagamentos que atingem o ES por...

Fortes chuvas deixam 72 pessoas desalojadas no ES

Apesar de não ter causado grandes estragos na Serra, as fortes chuvas que estão caindo no Espírito Santo desde a madrugada da última quarta-feira...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!