22 C
Serra
segunda-feira, 06 de abril de 2020

Primeira parte | Direito penal em tempos de coronavírus (Covid-19)

Leia também

Novo coronavírus | Serra tem 31 casos confirmados da doença

Subiu para 194 o número de casos confirmados da Covid-19 no Espírito Santo até este domingo (05). Outros 758...

Covid-19 | Serra prorroga prazo de pagamento de IPTU

A Prefeitura da Serra  anunciou a prorrogação  dos prazos do pagamento do IPTU.  A cota única e a primeira...

PL reafirma apoio a pré-candidatura de Alexandre Xambinho à Prefeitura da Serra

Presidente municipal do Partido Liberal (PL), Miguel Maia, comentou a filiação do deputado estadual Alexandre Xambinho ao partido, e...
Bruno Puppimhttps://www.portaltemponovo.com.br
Bruno Puppim, advogado criminalista com ênfase em investigação defensiva

Em tempos de Coronavirus (COVID-19), pandemia global, assim classificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) na quarta-feira dia 11 de março de 2020, surge para além das implicações de caráter sanitário e de saúde, implicações jurídicas quanto ao direito do Estado em poder obrigar, ou não, a entrar em quarentena e receber tratamento médico, aquelas pessoas que eventualmente não queiram colaborar voluntariamente com a prevenção dessa nova doença.

A medida de quarentena, por exemplo, tornou-se motivo de debates quando foi decidido pela Presidência da República o repatriamento dos brasileiros que estavam na China, especialmente os que se encontravam na região de Wuhan, marco zero da pandemia. Questionou-se a existência, na legislação brasileira, de instrumento legal para obrigar essas pessoas a ficarem isoladas em instalações médicas militares, até que fosse completamente descartado a possibilidade de contaminação.

No caso concreto, não houve qualquer problema, todos os brasileiros que foram repatriados colaboraram voluntariamente com a quarentena imposta, no entanto, se fosse preciso, o Poder Público poderia lançar mão do artigo 268 do Código Penal Brasileiro (CPB).

“Art. 268 – Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”.

Crime que tem como pena a detenção de 1 (um) mês a 1 (um) ano e multa, com a possibilidade de aumento da pena em 1/3 (um terço) se o agente for funcionário da saúde pública ou exercer profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.

Qualquer pessoa pode praticar o crime, sendo que os profissionais da área da saúde pública e os médicos, farmacêuticos, dentistas e enfermeiros, mesmo que da iniciativa privada, respondem de forma mais grave. Chama a atenção que algumas profissões da área da saúde privada ficaram de fora, como os biomédicos, socorristas (paramédicos) e os técnicos em enfermagem, sendo que estas profissões guardam similaridade com as profissões que estão expressamente previstas.

Prima facie, se percebe que a pena prevista para o crime é muito baixa, levando-se em conta que o bem jurídico protegido é a incolumidade pública, que pode ter como consequência a morte de centenas ou milhares de pessoas, a depender da doença propagada.

Outrossim, tem-se a possibilidade da prática de um crime com pena mais grave, tal é o previsto no artigo 267 do CPB.

“Art. 267. Causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos.”

Crime que prevê pena de reclusão de 10 (dez) a 15 (quinze) anos, com a possibilidade do aumento da pena em dobro se do fato resultar morte, e o agente ter agido dolosamente (com intenção). Caso o fato seja praticado na modalidade culposa (sem intenção), a pena reduz drasticamente, sendo de detenção de 1 (um) a 2 (dois) anos pela simples propagação, ou de 2 (dois) a 4 (quatro) anos se resulta em morte.

Fato é que no atual quadro de disseminação do Coronavirus (COVID-19), quadro de epidemia já instalado, fica muito difícil provar que alguém causou a epidemia de modo proposital ou não, já que não se identificou de que maneira se deu a entrada do vírus no país.

Assim, mais do que por medo de punição, deve ser por autoconsciência moral e dever cívico que todos os indivíduos que formam o tecido social devem se precaver e colaborar com os esforços públicos de cuidado e prevenção.

Comentários

Mais notícias

Covid-19 | Serra prorroga prazo de pagamento de IPTU

A Prefeitura da Serra  anunciou a prorrogação  dos prazos do pagamento do IPTU.  A cota única e a primeira parcela, que venceriam no dia...

PL reafirma apoio a pré-candidatura de Alexandre Xambinho à Prefeitura da Serra

Presidente municipal do Partido Liberal (PL), Miguel Maia, comentou a filiação do deputado estadual Alexandre Xambinho ao partido, e reafirmou que o parlamentar deve...

Fogo destrói igreja em Colina de Laranjeiras

Um incêndio destruiu as instalações da Igreja Batista Caminhos da Fé, localizada no trevo de Colina de Laranjeiras, na Norte Sul, em frente ao...

Eleições 2020: Alexandre Xambinho filia-se ao PL e lança pré candidatura a prefeito da Serra

O deputado Alexandre Xambinho confirmou, neste sábado (4), sua filiação ao Partido Liberal (PL): sigla pela qual pretende disputar a Prefeitura da Serra nas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem