• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 57.848 casos
  • 1.210 mortes
  • 55.783 curados
25.4 C
Serra
quinta-feira, 13 maio - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 57.848 casos
  • 1.210 mortes
  • 55.783 curados

Opinião TN | Multa por não usar máscara na Serra é necessária numa cidade que mil já morreram de Covid

Leia também

Lixão em Novo Porto Canoa tira sono de moradores que pedem providência

Um imenso lixão está se formando na Avenida Amazonas, em Novo Porto Canoa, no terreno que fica em frente...

Festival apresenta 12 atrações musicais capixabas de diferentes estilos e linguagens

Doze atrações musicais capixabas com performances que entregam grito por diversidade e liberdade. E mais: dança, rock, fala, hip...

De mochilão e bicicleta, amigos vem pedalando da Argentina para conhecer belezas da Serra

Imagine conhecer o litoral brasileiro dando muitas pedaladas? Uma aventura e tanto, não é? Em busca da liberdade e...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

Na avenida Central de Laranjeiras é comum ver pessoas circulando sem máscara ou com o acessório no queixo. Foto: Ana Paula Bonelli

Há algumas semanas a Serra ultrapassou a trágica marca de 1.000 mortes por Covid-19. É um número tão devastador, que obrigou o prefeito Sérgio Vidigal a reduzir de quatro para três anos o prazo de exumação de corpos, para tentar driblar o risco de colapso funerário no município.

Para fazer uma comparação rasa, a Covid está matando bem mais que arma de fogo na Serra, cidade da qual convive historicamente com a chaga da violência desde o início do apogeu urbano datado da década de 80, com a implantação da antiga CST, atual ArcelorMittal.

Mas se a maioria absoluta dos moradores da Serra temem sair à noite, especialmente em bairros periféricos, uma parte expressiva segue desdenhando da pandemia, que estatisticamente é mais mortal e impiedosa do que a violência urbana.

E qual o símbolo maior do desdenho? Com certeza, é o não uso da máscara, que é o artigo mais básico na luta contra a pandemia. Alguns podem até falar: ‘ah, estou de saco cheio de usar essa máscara’…Nossa! Imagina um cara em Londres em 1940 dizendo que está com o saco cheio das restrições de circulação impostas pela guerra e saindo na rua durante a blitzkrieg de 7 setembro.

Se essa pessoa tinha amor próprio e por seus semelhantes, teve que rapidamente ‘esvaziar esse saco’ para viver com restrições por mais cinco anos.

E isso é idêntico nesse momento, afinal estamos todos em guerra contra o vírus. Não usar máscara, não é somente um ato de irresponsabilidade individual, mas antes de tudo, é também um erro de caráter coletivo, já que todos dividimos o mesmo planeta.

Por isso, o decreto da Prefeitura da Serra do qual torna obrigatório o uso de máscara e prevê multa para quem insistir com o contrário, é sim, justificável e necessário. O Poder Público existe para regular a coletividade, e se uma minoria de irresponsáveis põe em risco de vida a maioria, é preciso a intervenção estatal.

Não seria necessário se a ciência fosse ouvida e respeitada por todos; mas as sub-culturas estimuladas especialmente pelos fenômenos da comunicação virtual em rede, chegaram para arregimentar os anti-ciência.

Não podemos prever quando essa pandemia vai acabar, ainda mais sem vacinação em massa, que é o caso do Brasil. Portanto, fechar o cerco contra quem não usa máscara, está no escopo de ações necessárias na luta contra a doença.

O conhecimento empírico de epidemias e pandemias passadas é importante, mas não desvenda o fenômeno. Pode durar 15 semanas e outras 150 semanas. Deixar a população se infectar para alcançar mais rapidamente imunidade de rebanho, além de ser humanamente injustificável, é errado. Pois durante o período de contágio acelerado podem aparecer mutações que inviabilizem a imunidade natural adquirida para a cepa anterior (e até para a imunidade por vacinação). Por isso, a única – repita-se com ênfase: A ÚNICA – medida eficaz e aceitável é reduzir as interações e a utilização em escalda de medidas sanitárias básicas, como uso de máscara e higienização, que é o que ainda falta a Serra.

Diferente de outros municípios, que seguem fazendo vista grossa, a Prefeitura da Serra, seguiu as orientações dos órgãos de controle, incluindo o Ministério Público, e não se acovardou em exercer seu papel mais fundamental: regular a coletividade em prol do bem social. Vacina sim! E nesse intervalo, cerco contra aqueles que querem boicotar a vida. Não quer tomar multa? É só usar a máscara.

Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!