25.8 C
Serra
sexta-feira, 03 de abril de 2020

Já ingeriu seu veneno hoje?

Leia também

Serra tem 23 casos confirmados de coronavírus, diz Secretaria da Saúde

A Serra registrou mais um caso confirmado do novo coronavírus. De acordo com a última atualização publicada pela Secretaria...

Casagrande anuncia que comércio vai ficar fechado até 12 de abril

Os comércios classificados como não essenciais vão continuar de portas fechadas até o próximo dia 12 de abril. Durante...

Materiais de construção, serviços automotivos e lojas de chocolate poderão funcionar

A partir desta segunda-feira (6), estarão liberados para funcionar as lojas de material de construção e serviços automotivos no...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Bruno Lyra 

A quantidade e tipos de veneno que chegam à mesa na comida e água por conta dos agrotóxicos usados nas lavouras é tema de crescente a acalorada discussão no país, que recrudesceu ainda mais nas últimas semanas.

Tudo porque o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) vem liberando agrotóxicos em quantidade e tempo recordes. Só neste ano, até 22 de julho, foram liberadas 262 novas substâncias no Brasil. Fato que vem gerando reações de médicos, cientistas, institutos de pesquisa e ambientalistas. E também de lideranças políticas, dentre eles o senador Fabiano Contarato (Rede) e o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT), críticos de tanta liberação.

É razoável o argumento de que a chamada Revolução Verde ajudou a ampliar a disponibilidade de comida. Mas tão razoável quanto é, também, o contra-argumento de que isso provocou efeitos colaterais. Dentre os mais severos, as doenças provocadas pelos agrotóxicos.

Cada vez mais pesquisas correlacionam diversos tipos de câncer, doenças degenerativas e até autismo à exposição das pessoas venenos agrícolas. Fora a destruição ambiental. A mortandade em massa das polinizadoras abelhas é exemplo.

Não é de hoje que países desenvolvidos  – ironicamente onde estão as sedes das multinacionais dos agroquímicos – vêm restringindo o uso de veneno. Tendência já notada  entre ricos e a classe média no Brasil, que não titubeiam em pagar muito mais caro por produtos ‘orgânicos’. É fato que a evolução da tecnologia torna viável produzir em massa com pouco ou nenhum veneno.

Isso torna ainda mais salutar a preocupação com essa farra de agrotóxicos no país; afinal, a quem isso interessa? Para o morador da Serra, basta lembrar que boa parte dos alimentos e da água vem da região serrana, como do município de Santa Maria de Jetibá, local, sabidamente, de intensivo uso de agrotóxicos.

Em março deste ano, reportagem da agência Repórter Brasil em parceria com entidade suíça Public Eye, com base em dados do Ministério da Saúde, constatou coquetel de agrotóxicos na água de abastecimento – ou seja, já tratada – de um em cada quatro municípios do país.

Na ocasião, o TEMPO NOVO perguntou à Cesan e aos órgãos de saúde sobre a quantidade e os tipos de veneno que existem na água que chega à casa do serrano. A única e vaga resposta foi a de que o líquido está dentro dos parâmetros exigidos na legislação, que no caso da brasileira é bem mais frouxa que a da União Europeia, por exemplo.

 

Comentários

Mais notícias

Casagrande anuncia que comércio vai ficar fechado até 12 de abril

Os comércios classificados como não essenciais vão continuar de portas fechadas até o próximo dia 12 de abril. Durante uma coletiva de imprensa realizada...

Materiais de construção, serviços automotivos e lojas de chocolate poderão funcionar

A partir desta segunda-feira (6), estarão liberados para funcionar as lojas de material de construção e serviços automotivos no horário das 10 às 16...

ES registra segunda morte por coronavírus, diz Casagrande

O Espírito Santo registrou a segunda morte causada pelo novo coronavírus. A informação foi dada pelo governador Renato Casagrande (PSB) durante uma coletiva de...

Covid-19 | Espírito Santo vai receber mais de 9 mil testes rápidos

O Ministério da Saúde iniciou, na quarta-feira (1º), a distribuição dos 500 mil testes rápidos para diagnóstico de coronavírus (Covid-19) no país. Os testes...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem