21.1 C
Serra
domingo, 25 de outubro de 2020

O obscurantismo e o aborto

Leia também

‘Friozinho’ com comida boa e lazer nos restaurantes do agroturismo da Serra neste domingo

Domingo é dia de relaxar com a família, mas, em dias chuvosos, não dá pra ir em qualquer lugar....

Atenção motoristas! Trechos da Norte Sul estão com grande acúmulo de água na Serra

Os motoristas que precisarem passar pela Norte Sul, na Serra, devem ficar atentos com alguns pontos de possíveis alagamentos....

De novo! Fortes chuvas causam alagamentos em trechos da BR-101 na Serra

O fim de semana está sendo de chuva forte para vários municípios capixabas, incluindo a Serra. E na cidade,...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal.

É lei. Em caso de estupro a mulher tem direito ao aborto. Da mesma forma em que está prevista legalmente a interrupção da gravidez caso haja risco de vida à gestante. O caso da menina capixaba de 10 anos que engravidou após ser estuprada pelo próprio tio se enquadra nas duas situações.

Portanto é muito esquisito que esteja acontecendo tamanho estardalhaço neste caso.  Choca ver na 2ª década do século XXI grupos políticos e religiosos contrários ao aborto fazerem ato defronte e até tentarem invadir o hospital em Pernambuco que acolheu e fez procedimento na menina. Pernambuco porque a equipe médica que atendeu a garotinha de São Mateus no Hospital das Clínicas em Vitória se recusou a fazer o aborto, mesmo após aval da Justiça.

Tanto barulho se explica por uma razão: a ascensão fulminante do obscurantismo no Brasil. Não que os obscurantistas não estivessem sempre aí, mas haviam perdido espaço nas últimas décadas com a evolução – aos trancos e barrancos – da sociedade.  Mas agora a gente obscurantista está empoderada. Perdeu o pudor de defender abertamente suas ideias medievais. Elegeu um entre os seus para presidir a nação.

A ciência e a lei do país consideram que o aborto é o caminho menos danoso para a menina que já carrega consigo um imenso trauma. Assim também decidiram os tutores legais da vítima de estupro.

Claro que há o direito de qualquer cidadão de questionar o aborto. Mas isso deve ser feito dentro de contexto razoável e respeitando as leis. Não fazendo atos em frente a hospitais para constranger profissionais de saúde ou divulgando dados e imagens da criança engravidada.

É disparate evocar valores de doutrinas religiosas para pautar leis. Há de se lembrar que o estado é laico, o que garante inclusive liberdade de culto religioso. Precisa ser assim senão andamos igual a caranguejo.

O curioso é que muitos desses que vociferam contra o aborto no caso da menina capixaba defendem torturadores e até assassinatos. Não é à toa que haja tanta gente duvidando da gravidade da pandemia. Que ache que a terra é plana. Que acredite em remédios sem comprovação científica contra a covid-19. Que não entenda a dimensão do aquecimento global e de outras emergências ambientais.

A desinformação, a falta de empatia e o ressentimento são os combustíveis desse tipo de pensamento. As redes sociais, os catalisadores. Mesmo no meio da névoa desses tempos, permanece a fé deste que vos escreve no humanismo e dos valores republicanos. Por mais difícil que seja.

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Atenção motoristas! Trechos da Norte Sul estão com grande acúmulo de água na Serra

Os motoristas que precisarem passar pela Norte Sul, na Serra, devem ficar atentos com alguns pontos de possíveis alagamentos. Acontece que, em alguns locais,...

De novo! Fortes chuvas causam alagamentos em trechos da BR-101 na Serra

O fim de semana está sendo de chuva forte para vários municípios capixabas, incluindo a Serra. E na cidade, os motoristas precisam ficar atentos...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!