22.6 C
Serra
domingo, 05 de julho de 2020

Números e sensação de insegurança

Leia também

Projeto garante teste gratuito de coronavírus a doadores de sangue

Tramita na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei versa sobre a inclusão de testes para detecção da Covid-19 em...

Viviane Miranda fará segunda live solidária no dia 12 de julho

A cantora Viviane Miranda, moradora de Feu Rosa, na Serra, fará sua segunda live solidária no próximo dia 12...

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Bruno Lyra

No último dia 15 de julho, uma sexta feira, Tempo Novo trouxe a manchete destacando que o mês de junho foi o que menos teve assassinatos na Serra em 10 anos, com ‘só’ 15 casos. Se não dá para comemorar, afinal, um assassinato é muito para a família e para a própria pessoa que teve a vida interrompida por outra, a notícia traz pelo menos um alento. Afinal, desde meados dos anos 80,  a Serra viu sua taxa de homicídio crescer a níveis estratosféricos, se tornando por diversas ocasiões um dos lugares mais sangrentos do Brasil e do mundo.

Mas é preciso ponderar. Junho é tradicionalmente um mês menos violento. E mesmo ostentado ‘apenas’ 15 assassinatos, a Serra continua liderando com folga o triste ranking da matança capixaba. Tanto que quase a metade dos que perderam a vida para a violência na Grande Vitória no mês de São João estavam na Serra. Por outro lado, já é perceptível uma tendência de queda dos homicídios em boa parte das cidades do ES nos últimos seis anos.
O Governo afirma que 2015 foi o ano com menos mortes em 23 anos no Estado: 1.391. A Serra contribuiu com 320 casos nesta macabra contabilidade.

Números são números. Eles são frios, não refletem a sensação de insegurança dos moradores da Serra e das cidades vizinhas – problema que se estende a maior parte das grandes e médias aglomerações urbanas do país. Muito menos aplacam a dor de famílias dilaceradas pela perda de um ente ou reduzem o prejuízo à sociedade pela ausência de alguém que poderia servir a ela.

Pois foi justamente naquela sexta – feira da manchete do Tempo Novo que um caso triste aconteceu em Colina de Laranjeiras. Dois jovens foram mortos por um policial à paisana, que por pouco, não foi linchado na sequência. Na imprensa estadual, o caso ganhou contornos de covardia, com a reprodução de versões de testemunhas afirmando que o policial matou por motivo banal.

Depois, sugiram versões de que os jovens seriam criminosos e que o policial agiu em legítima defesa. Vai caber a investigação do caso determinar o que é fato e boato. E à Justiça, julgar. Outro caso terrível aconteceu no último domingo (17) no bairro Central Carapina. Ao abordar duas pessoas que estariam vendendo drogas, dois policiais foram agredidos, tiveram a viatura atacada e quase foram mortos.

São situações emblemáticas, que se repetem, e mostram o quão tensa é a vida nesta cidade. E que embora a frieza dos números retratem uma queda nos assassinatos, quem mora ou trabalha na Serra está longe de se sentir seguro. Até quando?

Comentários

Mais notícias

Viviane Miranda fará segunda live solidária no dia 12 de julho

A cantora Viviane Miranda, moradora de Feu Rosa, na Serra, fará sua segunda live solidária no próximo dia 12 de julho, as 16 horas....

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do acompanhante), que alterou a lei...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!