25 C
Serra
quarta-feira, 02 de dezembro de 2020

Nó difícil de desatar

Leia também

Serra poderá ganhar mais uma vaga na Assembleia Legislativa

O resultado da eleição 2020 impactou na composição da Assembleia Legislativa. E com as mudanças a Serra pode alcançar...

Habilitações vencidas em 2020 terão um ano a mais de validade

Está em vigor, a partir de hoje (1º), a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que restabelece os prazos...

Matrículas abertas para novos alunos em creches da Serra

A pandemia causada pelo coronavírus fez com que todas as cidades brasileiras suspendessem as aulas presenciais. Mesmo assim, as...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Por Kleber Galveas

Em 1974, influenciado por Augusto Ruschi e Michel Bergman, tentei convencer o pintor Homero Massena, então com 89 anos, a participar de uma passeata, com o objetivo de despertar a consciência dos capixabas em relação à instalação do Parque Siderúrgico, em Tubarão, Vitória, Espírito Santo, Brasil.

A passeata nunca aconteceu. Massena faleceu em 1974. Motivado, deixou-nos uma moringa: de um lado desenhou o capixaba acanhado; do outro, um japonês agressivo (a parceira pioneira em Tubarão foi a Kawasaki).

Em 1997 iniciei o projeto ‘A Vale, a Vaca e a Pena’, que pode ser visto no site: www.galveas.com.  Como eu pensava que a poluição acabaria, a ideia era registrá-la no último ano da empresa estatal. Acreditava que, com a privatização, enfim, o governo desempenharia o seu papel constitucional, como agente fiscalizador e restritivo. Triste engano: a poluição aumentou, culminando com o início das operações da Usina 8, em 2015, autorizada pelo governador Paulo Hartung, em 2008.

Se o Governo do estado não tivesse compromisso com as contribuições à sua eleição e não prevaricado na legislação e fiscalização em Tubarão; se não tivesse tirado da cartola o velho e polêmico projeto das Wind fences, para justificar a aprovação da Usina 8, e tivesse dado atenção às considerações apresentadas por populares na Audiência Pública, de 21 de junho de 2006, na Ales, esse nó górdio, atado pelo governo, não existiria.

Nessa citada Audiência que ocorreu  para  licenciar a Usina 8 dissemos: “Para o próprio bem das siderúrgicas instaladas na Ponta de Tubarão, é preciso que seus novos investimentos sejam direcionados para outra área; e que se pense na gradual transferência das atividades siderúrgicas ali existentes.”

Urgentes paliativos devem ser adotados, para minimizar os “efeitos criminosos”, até a transferência se efetivar. A mudança é necessária, mas acredito que deva ser feita de maneira gradual, com bom senso e tolerância de todos os segmentos envolvidos nesse nó, dado pelo desgoverno. Ele sempre estimulou a empresa, aprovou seus projetos e, feliz com as contribuições eleitorais, fechou os olhos à gestão da coisa pública.

Kleber Galvêas é pintor e ativista ambiental e cultural

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Audifômetro: faltam 30 dias para o fim do governo Audifax na Serra
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!