27 C
Serra
quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

E para nós a vossa lama

Leia também

Músico grava CD gospel e faz shows para ajudar esposa com doença degenerativa

Dias 7 e 8 de fevereiro vai ter Verão com Jesus Serra, em Jacaraípe e uma das atrações será...

Mais de 150 vagas para auxiliar de limpeza no Sine da Serra

Nesta quarta-feira (28), estarão abertas 266 vagas para profissionais que possuem apenas o ensino fundamental e moram, atualmente, na...

Serra joga em casa no sábado em busca da primeira vitória no Capixabão

O Serra empatou com o Real Noroeste em Águia Branca e agora segue para o segundo jogo da primeira...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Bruno Lyra 

Na última segunda-feira (05) completaram três anos do maior desastre /crime ambiental da história do país e um dos mais severos da humanidade. O rompimento da barragem de rejeitos de minério da Samarco(Vale + BHP Billiton) em Mariana – MG matou 19 pessoas, destruiu casas e propriedades rurais.

E arruinou a principal fonte de água do ES, o rio Doce. Lama que desceu e continua descendo a cada grande cheia, estragou o rico estuário do rio em Regência e, uma vez no mar, se espalhou chegando a Cabo Frio, no Rio de Janeiro e Abrolhos, Bahia.  

Os impactos econômicos e sociais também foram gigantescos. A paralisação da Samarco, que no ES tem em Anchieta usina de pelotização e porto para exportação de minério, foi duro golpe para a economia capixaba. Baque sentido até na Serra, onde fornecedoras e prestadoras de serviço mantinham contratos anuais com a Samarco em torno de R$ 300 milhões/ano que geravam cerca de 350 empregos.

Sem contar os pescadores do rio Doce, que deixaram a atividade. E o impacto aos pescadores de todo o litoral capixaba, que tinham na foz do referido rio, em Regência, um dos principais pesqueiros. O que dizer então dos moradores das cidades abastecidas pelo Doce e dos produtores rurais que dependem do rio para irrigação? Os problemas também afetaram a lagoa Juparanã, a 2ª maior do país, entre Linhares e Sooretama.   

Tudo isso sem que houvesse punição aos diretores e operadores da Samarco. Nem mesmo as multas ambientais foram pagas pela empresa. Suas donas Vale e BHP pouco fazem, como se nada tivessem a ver com o desastre. As indenizações pagas e obras de reparações tocadas até agora pela Fundação Renova, entidade da Samarco criada para este fim, são desproporcionais ao tamanho do estrago.  

Se com as regras ambientais que o país tem atualmente esse cenário de impunidade e descaso impressiona, o que esperar do futuro? O grupo político vitorioso nas eleições presidenciais já sinaliza mais ‘flexibilização’ das leis e governança ambientais. Fala-se até em fechamento do Ministério do Meio Ambiente. É bom lembrar que nas cabeceiras do rio Doce, em Minas Gerais, há várias outras barragens de rejeitos da mineração.        

Comentários

Mais notícias

Mais de 150 vagas para auxiliar de limpeza no Sine da Serra

Nesta quarta-feira (28), estarão abertas 266 vagas para profissionais que possuem apenas o ensino fundamental e moram, atualmente, na Serra. Destas chances, 155 são...

Serra joga em casa no sábado em busca da primeira vitória no Capixabão

O Serra empatou com o Real Noroeste em Águia Branca e agora segue para o segundo jogo da primeira fase do Campeonato Capixaba contra...

Erosão avança, destrói ruas e preocupa moradores em Manguinhos

A beleza de uma das principais praias da Serra, Manguinhos, está dando lugar para crateras gigantes. A causa disso tudo são as fortes ondas...

Instituto alerta para risco de mais chuva forte no ES

Pode chover forte nas cidades capixabas, incluindo a Serra, durante a tarde e noite desta terça-feira (28). O alerta é do Climatempo. De acordo...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem