21 C
Serra
terça-feira, 20 de outubro de 2020

DIA DE RUA

Leia também

Vidigal promete vigiar poluição do ar, ampliar reservas ambientais e revisar PPP do esgoto

Com a bagagem de já ter sido prefeito três vezes da Serra Sérgio Vidigal (PDT) volta a disputar o...

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30%...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem...
Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem­se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar­se da virtude, a rir­se da honra e a ter vergonha de ser honesto.” (Rui Barbosa)

“A única coisa que mete medo em político é o povo na rua” (Dr. Ulysses Guimarães)

“Como toda organização criminosa, havia uma divisão de tarefas e o sucesso do empreendimento dependia da conduta de todos” (Joaquim Barbosa)

É mesmo inevitável que ruas e praças componham o enredo que se anuncia. Na história recente do país, essa cena se repete. Foi assim no movimento “diretas já”, que inundou as grandes praças das cidades em 1984, e empurrou o regime militar para o seu fim, passadas duas décadas em estado de exceção democrática.

Aconteceu de novo e espetacularmente em 1992. O povo e a juventude cara­pintada tomaram as ruas e exigiram que o Congresso Nacional impedisse a sanha da Casa da Dinda, acabando por destituir o presidente Collor do poder.

Foi nuns dias desses, no junho de 2013, que manifestantes aos milhares, avisaram que “não é só casa e comida que faz uma nação feliz”, e que estavam saturados com a mediocridade dos serviços públicos e com os escândalos de corrupção.

O adágio dos mais antigos ensina: “depois não diga que não avisei!” Pois bem. Com a corda esticada vieram as eleições presidenciais, e a campanha do primeiro turno revezou três candidatos emparedados nas primeiras colocações. Para no segundo turno dividir votos, opiniões e a vontade de mudança no rumo dos negócios públicos. A milimétrica diferença demonstrou isso.

Não obstante, a reempossada reeleita presidenta logo escancarou a real condição com que operava o Governo da República. O escalabro atende pelo trinômio: crise econômica, crise política e crise moral. O famigerado mensalão foi apenas porta de entrada do sistema de lapidação do patrimônio público nacional. Corrupção junto com inércia e misturado à má gestão ou Crime lesa­pátria?

É por isso o movimento “Vem pra rua”. E pra lembrar a célebre frase de Don João Batista de Albuquerque, saudoso Bispo de Vitória: “Só o povo salva o povo”.

Odmar Péricles Nascimento é sociólogo e analista político

Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Mais notícias

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30% maior que no mesmo período...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem três anos de história, mas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!