25.7 C
Serra
terça-feira, 18 janeiro - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Autêntico, lindo e histórico: filme do Queimado é uma ode à memória da Serra; obrigado a todos

Leia também

Velório e sepultamento de Hermes Scardini será nesta quarta (19)

Está marcado para esta quarta-feira (19), a partir das 7h30, no cemitério Jardim da Paz, em Alterosas, o velório...

Cadela é encontrada esquartejada em possível ritual de magia negra na Serra

Uma cena forte, um crime cruel e bárbaro marcou o final da tarde desta terça-feira (18) dos moradores de...

Serra ultrapassa 85 mil casos de Covid-19; 1.061 foram registrados nas últimas 24h

De segunda (17) para terça-feira (18) a Serra registrou 1.061 novos casos de Covid-19. De acordo com dados do...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Parte do elenco do documentário ‘Queimado – A luta pela liberdade’. Foto: Divulgação

A noite da última quinta-feira (11) certamente será imortalizada como uma das maiores, se não a maior, homenagem a história da emblemática revolta de escravos do Espírito Santo, que aconteceu na Serra. O filme ‘Queimado – A luta pela Liberdade’ narra e documenta a Insurreição do Queimado ocorrida em 19 de março de 1849 neste município e em 2021 completou 172 anos.

Mais do que isso, o filme foi gravado no palco real da revolta, que são as ruínas restauradas da Igreja de São José do Queimado. Durante os 30 minutos de narrativa, o diretor fez o trajeto de fuga real dos escravos pela floresta que circunda o templo e ainda mostrou a famosa  Lagoa Saraponga – que representou a lagoa das Almas – onde os corpos dos escravos foram descartados.

Um trabalho profissional realizado por serranos, que tiveram como diretor Rogério de Moraes Martins, e que ficou emocionante e espetacular. Aqueles que conhecem e acompanham a história desta cidade podem até tentar, mas é impossível não deixar as lágrimas escaparem dos olhos.

O documentário também eterniza e, de certa forma homenageia, grandes nomes da cultura da Serra, como o historiador Clerio Borges, o pesquisador Irineu Cruzeiro, o professor André Malverdes e o poeta Teodorico Boa Morte.  Todos esses contribuem de forma positiva e histórica para a cultura do município e foram eternizados por meio de suas atuações no filme.

O filme também valorizou a arte do artista plástico da Serra, já falecido, Valter Assis, que se destacou ao longo de suas trajetória com seus quadros que representam a Serra antiga.

Do elenco também participaram o ator Marcus Konká, que fez o papel de Eliziário Rangel, um dos líderes da revolta, que atuou brilhantemente. Marcus é conhecido nas telinhas da televisão por já ter gravado diversas novelas da Globo. Também fazem parte desta ode à cultura da Serra, Bené Freire, Verônica Gomes, Elisa Rosa, Sandra Gomes, entre outros.

Os trabalhos para efetivação do filme começaram em janeiro e contaram com ajuda e participação de muita gente. Foram 40 pessoas no elenco e 20 na produção, mais 4 assistentes de câmera e 2 operadores de drone. Como mesmo diz, o diretor deste esplendoroso filme “não foi fácil, mas valeu a pena”.

O Tempo Novo faz a cobertura sobre a história do Queimado desde que foi fundado na virada dos anos 1983 para 1984 e sempre cobrou responsabilidade do poder público para com o patrimônio histórico.

Esperamos que este documentário alcance pessoas em todo o mundo, mas principalmente os moradores de nossa cidade, que ainda não conheciam esta história. Ainda mais, queremos vê-lo sendo exibido em festivais de cinema e, mais do que isso, dentro das escolas do nosso Espírito Santo.

Escolas estas, onde muitas vezes, a própria história do município não é trabalhada junto aos estudantes. É necessário que a Secretaria Municipal de Educação (Sedu), atue fortemente no incentivo a valorização da cultura e história serrana dentro das salas de aulas. Nossos jovens estudantes merecem conhecer o seu passado para que, no futuro, não sejam cometidos os mesmos erros.

Queimado é um símbolo da resistência negra e da luta pelos direitos iguais. Queimado vive.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!