23.6 C
Serra
sexta-feira, 03 de julho de 2020

A agenda política de 2017

Leia também

Viviane Miranda fará segunda live solidária no dia 12 de julho

A cantora Viviane Miranda, moradora de Feu Rosa, na Serra, fará sua segunda live solidária no próximo dia 12...

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do...

Serra ultrapassa oito mil casos confirmados de coronavírus e atinge 320 mortes

Seguindo na liderança de casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, a Serra já ultrapassou a triste marca de...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Iniciado o mês de julho entramos oficialmente no segundo semestre do ano. Um 2016 que já se mostrava bastante complexo desde antes de seu início, seja do ponto de vista político ou econômico.

Na Serra, a cada dia fica mais evidente a polarização para as próximas eleições, em torno das candidaturas de Audifax e Vidigal.
O PT está distante de lançar uma candidatura competitiva – se é que vai lançar alguma.

O PSB vem dando sinais de que vai abdicar de uma candidatura própria para abraçar o Rede Sustentabilidade, do atual prefeito.

No PSDB municipal ainda há uma ala que sustenta a tese de candidatura própria, mas a indefinição há cerca de 3 meses do pleito, aliada às mudanças na legislação eleitoral – que diminuiu o tempo de campanha para 45 dias – pode mostrar ser desfavorável manter a ideia.

Assim, a definição dessas e de outras candidaturas passará por cálculos políticos de outras ordens. Exposição das legendas para as proporcionais – vereadores – ou mesmo para projetos futuros. Poderá pesar os jargões políticos “ganhar perdendo ou perder ganhando” – uma coisa é perder, mas ter expressiva votação, e ter peso político para forçar um segundo turno, por exemplo; e outra coisa é perder perdendo…

Mas e a população da Serra, o que pode esperar? O desejo geral é que as candidaturas, quando puderem expor seus planos de governo em meados de agosto, apresentar ideias inovadoras e propostas concretas para os problemas do município. Ano que vem ainda será difícil para a economia do país e do ES, exigindo esforços extras da administração pública. Por outro lado, a tendência é que haja uma desaceleração no crescimento populacional do município, já que a indústria da construção civil não vem reagindo. Sem novos empreendimentos há um freio na migração interna na Grande Vitória.

Vamos torcer para que as agendas para 2017 sejam realmente debatidas, ao invés de observarmos campanhas recheadas de acusações e de baixo nível.

Comentários

Mais notícias

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do acompanhante), que alterou a lei...

Serra ultrapassa oito mil casos confirmados de coronavírus e atinge 320 mortes

Seguindo na liderança de casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, a Serra já ultrapassou a triste marca de oito mil moradores infectados e...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!