“A segurança das pessoas vem em primeiro lugar”

0
Coronel Nylton Rodrigues. Serra - ES
Coronel Nylton Rodrigues está há quatro meses à frente da Secretaria de Defesa Social do município

O coronel Nylton Rodrigues assumiu a Secretaria de Defesa Social (Sedes) e já adotou uma série de medidas para a redução dos índices de criminalidade no município. Proibição de grandes eventos na cidade, de menores desacompanhados nas ruas e regras para o funcionamento dos bares estão entre suas ações. Ele fala sobre o assunto nesta entrevista.

Quais são as atribuições da Sedes?
O município tem 124 bairros e infelizmente é o mais violento do Estado. Temos um departamento voltado à políticas públicas para o tratamento da violência. No dia 25 lançaremos o “Serra Atitudes da Paz”, principal produto da minha secretaria com quatro grandes eixos. O primeiro é o ‘proteção em rede’, com ações direcionadas aos 12 bairros mais violentos da Serra onde ocorrem metade dos homicídios. São eles Jardim Carapina, Central Carapina, Novo Horizonte, Feu Rosa, Vila Nova de Colares, Bairro das Laranjeiras, Nova Carapina l, Nova Carapina ll, Planalto Serrano, Jardim Limoeiro, Balneário de Carapebus e Parque das Gaivotas.

 

Quais são os projetos para esses 12 bairros?
A prefeitura tem várias frentes com ações integradas das secretarias. O projeto Olho nas Escolas prevê a instalação de câmeras de videomonitoramento em frente às escolas desses bairros, onde também criaremos o núcleo de mediações de conflitos, formado pelos próprios alunos. No segundo eixo, temos a Reação Integrada com a criação da guarda municipal, cujo projeto de lei será enviado para votação dos vereadores até janeiro de 2015. Não se justifica a Serra não ter uma guarda municipal. Ela atuará armada a partir de 2016. No terceiro eixo temos investimento na estrutura urbana dos bairros, limpeza e iluminação. O quarto eixo é a gestão do plano.

 

E o horário de funcionamento dos bares será monitorado pela Sedes?
A proposta está na Câmara. Nas madrugadas, a Polícia Militar se desloca para atender problemas em bares. Então estabelecimentos que quiserem funcionar na madrugada devem instalar circuito de monitoramento interno, tratamento acústico e segurança privada.

 
Empresários do segmento reclamam da dificuldade para preencher tais requisitos…
A segurança das pessoas vem em primeiro lugar. Existe o segmento que está preocupado em garantir lucro e o que quer levar segurança às pessoas.  Eu não acredito que seja problema financeiro, um videomonitoramento hoje é muito barato. Tratamento acústico não é tão difícil assim, talvez o mais caro seja a segurança que o custo é frequente.

 

O senhor defenderia essa medida para Vitória e Vila Velha, que têm pontos importantes e de grande movimento?
Plenamente. A prática deveria ser em todo Estado.

 

E sobre a permanência de menores nas ruas desacompanhados dos pais?
Crianças e adolescentes desacompanhados, em locais impróprios na madrugada, como boates e casas de show, é uma situação inadequada. Em nenhum momento foi dito toque de recolher.  Fizemos um protocolo e hoje a Serra realiza ações integradas semanalmente, com Polícia Militar e Conselho Tutelar. São encontradas 10 crianças por ações e o Conselho Tutelar chama os pais para uma conversa.

 

Qual é a estrutura da Sedes?
Temos os departamentos: Política de Segurança Pública, Defesa Civil, Operações de Trânsito, e Patrimonial. Agentes de trânsito têm uniformes novos e receberão 10 viaturas novas.

 

Como será aplicado o orçamento de 2015, de 14 milhões?
Entra a questão dos recursos humanos e salários. Temos hoje em andamento a expansão de 58 para 158 câmeras em nossa central de videomonitoramento e um policial aposentado para cada oito câmeras. Nós temos o contrato de manutenção de prevenção e reparo das câmeras.

 

Quantos assassinatos aconteceram na Serra em 2014?
Entre 1º de janeiro e 17 de novembro temos 301 assassinatos. Em 2012 eu era comandante do batalhão e fechamos com 344 homicídios. Em 2013 permaneceram 344.

 

Está mantida a proibição de grandes eventos na cidade?
O evento do Espírito Elétrico foi proibido por vários motivos. É preciso estrutura para shows com grandes públicos. Muitos não têm licença ambiental, exigências da vigilância sanitária e outros. O local do evento fica entre André Carlone e Carapina, com alto índice de criminalidade. A prefeitura cumpriu a lei e não autorizou, e não vai autorizar. Por força de liminar eles conseguiram fazer o evento.

 

Isso pode dificultar a vinda de investidores na cidade?
Nosso compromisso é com as pessoas, temos de ser rigorosos quanto à lei. Tem de haver locais apropriados para execução desses eventos. A prefeitura não vai autorizar um local impróprio.

 

Não há uma preguiça por parte do Estado com a Serra, em relação a essa criminalidade?
Temos meio milhão de habitantes e apenas um batalhão na cidade. A Serra precisa de mais batalhão, mais DPJ, uma delegacia de crimes contra a vida ampliada.

 

Haverá punição para quem jogar lixo em local inadequado?
Isso é crime ambiental. Vamos monitorar e endurecer contra aquele indivíduo que fizer isso. A polícia será acionada e o indivíduo multado em até 10 mil. Serra não é lixão para ninguém e não se justifica Vitória, Cariacica, Fundão descartarem lixo aqui.

 
Pensa em entrar na política?
Entrei na polícia aos 17 anos onde jurei cumprir 30 anos. Já cumpri 27. Depois me aposento. Hoje não penso, mas não descarto essa ideia.

 
Legalização da maconha…
Todas as experiências que tive no mundo do tráfico começaram na maconha. Sobre isso minha opinião é firme.

Comentários