27.5 C
Serra
domingo, 20 de setembro de 2020

Retorno da CPMF assombra indústria, lojista e consumidor

Leia também

Moradora da Serra pede ajuda para continuar cuidando de animais resgatados de maus-tratos

Cuidar de um animal muitas vezes é difícil para algumas pessoas, agora imagine cuidar de 25 cães e ainda...

Serra despenca no ranking de qualidade da educação inicial e não bate meta do Ideb

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado nas últimas semanas, aponta uma significativa queda da Serra no...

Homem é morto a tiros no meio da rua em Serra Dourada III

Os moradores de Serra Dourada III tomaram um baita suto na madrugada desta sábado (19). É que um homem...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VENDEDORA de loja de roupa em Laranjeiras: CPMF pode provocar mais um baque no setor de comércio do município, que já sofre com a crise
Vendedora de loja de roupa em Laranjeiras: CPMF pode provocar mais um baque no setor de comércio do município, que já sofre com a crise. Foto: Edson Reis 

Por Ayanne Karoline

Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, a CPMF. O nome grande assusta e com razão. Se aprovado pelo Congresso, o retorno do imposto vai encarecer as transações financeiras. Para fazer saques, transferências, pagamentos, por exemplo, uma taxa será cobrada.

Prestadores de serviço e comerciantes deverão repassar esse custo extra em seu serviço. A proposta, de autoria do Governo Dilma Roussef (PT), foi encaminhada ao Congresso Nacional no último dia 22 de setembro. E prevê alíquota de 0,2% sobre as movimentações.

“Se você vende, compra, revende ou investe, será cobrado. Toda a cadeia produtiva sofrerá. É bom destacar que esse imposto é fixo, ou seja, tem valor igual para todos. É diferente do Imposto de Renda, por exemplo, que é de acordo com a renda”, explica o vice-presidente da Findes na Serra, José Carlos Zanotelli.

Se a alíquota de 0,2% for aprovada, de acordo com o consultor financeiro e economista Jair Dias, que quem ganha um salário mínimo, R$ 788, já terá descontado R$ 1,50 ao sacar o dinheiro.

“A dica é comprar quando tiver dinheiro, evitando operações com cartões de crédito, débito ou cheques. Lembrando que quando o dinheiro está na poupança não incide a CPMF, apenas quando ele é movimentado”, destaca Dias.

Caso seja aprovado, o novo imposto deverá impactar de forma relevante a Serra, que é uma cidade com bom volume de prestação de serviço. Para o secretário de Desenvolvimento Econômico da Serra, Erly Vieira, lojistas e a indústria serão os mais afetados, além do consumidor.

Para o deputado federal capixaba Lelo Coimbra (PMDB), o governo não terá facilidades para provar a medida no Congresso. “Mesmo não tivesse essa crise política, seria difícil. Ainda falta passar pelas comissões da casa e creio que não irá ser aprovada. Pessoalmente, sou contra a CPMF manterei essa postura”, garante.

 

Comentários

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Serra despenca no ranking de qualidade da educação inicial e não bate meta do Ideb

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado nas últimas semanas, aponta uma significativa queda da Serra no ranking estadual da qualidade educacional...

Homem é morto a tiros no meio da rua em Serra Dourada III

Os moradores de Serra Dourada III tomaram um baita suto na madrugada desta sábado (19). É que um homem foi assassinado por volta das...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!