• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados
22.9 C
Serra
quinta-feira, 04 março - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados
Esgoto em área de proteção:

R$ 110 mil: Suspeita de fraude em cancelamento de multa da Arcelor será investigada na Câmara

Leia também

Festival Voadora terá 12 shows autorais com destaques da música capixaba  

Cento e oitenta e seis projetos foram inscritos para o processo de seleção do Festival Voadora, cujas apresentações acontecem entre...

Detran implanta exame teórico digital na Ciretran Serra Sede e facilita vida de moradores

O município da Serra receberá mais uma Sala de Exames Teóricos digital do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito...

Vereador defende regulamentação do serviço de mototáxi na Serra

  Por meio do Projeto Indicativo de Lei 43/2021, o vereador Pablo Muribeca (Patriota) defende a regulamentação do serviço de...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

O vereador Anderson Muniz se pronunciou na Câmara sobre o tema. ele cobra investigação do caso. Foto: divulgação.

A anulação de uma multa de R$ 110 mil que havia sido aplicada pelo município contra a ArcelorMittal Tubarão por jogar esgoto em área de preservação gerou reação na Câmara da Serra. Na sessão desta quarta-feira (17) o vereador Anderson Muniz (PODE) levantou dúvidas sobre a legalidade da anulação da multa e defendeu a apuração do caso.

A multa havia sido aplicada em julho de 2019 por fiscais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma). E foi anulada pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comdemas) em dezembro do ano passado após a empresa recorrer. Anderson, que é morador e tem seu reduto eleitoral em Praia de Carapebus, bairro vizinho à planta da siderúrgica, apresentou documentos que apontam suposto favorecimento à ArcelorMittal.

“No dia 26 de agosto (de 2019) a empresa recebeu a autuação por AR (Correspondência). E ela tinha até trinta dias para apresentar defesa, é o que a lei prevê. O Código Municipal de Meio Ambiente diz que a impugnação do auto deve ser apresentada nesse prazo no protocolo geral. Porém o auto de impugnação está com data de 04 de outubro. Mas na defesa alguém corrigiu para 25/09, que era o prazo para a defesa tempestiva. Mas não foi isto que aconteceu. Tem apenas uma assinatura, sem rubrica. Ora, se o auto foi apresentado em 04/10 como seria (a defesa) tempestiva?”, questionou o vereador.

Anderson afirmou ainda que a Junta Administrativa de Recursos havia decido pela manutenção da multa. E que o próprio representante da Procuradoria Municipal no Comdemas também votou por sustentar a punição à ArcelorMittal.

Após a fala de Anderson e a apresentação dos documentos, outros vereadores também defenderam investigação do caso. O presidente da Câmara, Rodrigo Caldeira (PRTB), disse que com a negativa da Junta de Recursos Administrativos à anulação da multa, o processo não deveria sequer ter ido ao Comdemas. Rodrigo disse que tem de convocar a secretária de Meio Ambiente da época, que era Áurea Galvão, do porque de isto ter acontecido.

Já a vereadora Elcimara Loureiro (PP) defendeu que também sejam convocados os membros da Junta de Recursos Administrativos. Por sua vez, a vereadora Raphaela Moares (REDE) ponderou que já viu ocorrer diferença entre a data em que um documento é protocolizado e a data que fica marcada nele em função do grande volume de documentos.

O vereador Igor Elson (PODE) foi outro que se manifestou sobre o caso. “Vi prova de intempestividade. Não há assinatura (de funcionário público na defesa supostamente protocolizada em 25/09). O procurador do município votou pela manutenção da multa. A Procuradoria da Câmara pode analisar isso para ver se houve a intempestividade do prazo”, sugeriu.

Saiba mais sobre a polêmica envolvendo o caso nesta outra reportagem publicada por Tempo Novo.

Em nota divulgada na noite desta sexta-feira (19) a Prefeitura da Serra negou que haja irregularidade no processo que anulou a multa da ArcelorMittal Tubarão. Veja a íntegra:

A Procuradoria-Geral da Serra informa que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente analisou o recurso administrativo da ArcelorMittal Brasil SA em face do auto de infração nº. 8271798/2019, interposto dentro do prazo. Portanto, foi dado prosseguimento ao devido processo legal.

Já a ArcelorMittal Tubarão não se posicionou.

Esta reportagem foi atualizada às 21h e 08 desta sexta-feira (19).

Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Saiba mais
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!