• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 63.562 casos
  • 1.352 mortes
  • 61.622 curados
20.7 C
Serra
sábado, 12 junho - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 63.562 casos
  • 1.352 mortes
  • 61.622 curados

Prefeitura não tem como bancar rombo milionário nas contas do IPS, diz secretário

Leia também

Ministro de Bolsonaro cita a Serra e divulga vídeo da obra do Contorno do Mestre Álvaro

Na última sexta-feira (11) o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas publicou um vídeo em suas redes sociais,...

Atenção: Serra ainda tem vagas para vacinas de Covid (1° e 2° dose) e Influenza

A Prefeitura Municipal da Serra, por meio da secretaria de Saúde, informa que das vagas abertas nesta sexta-feira (11),...

Serra retoma aulas presenciais para 14 mil alunos do 6º ao 9º ano e EJA

  As atividades para os alunos da rede municipal de educação da Serra que estão cursando entre o 6º e...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Responsável pelo pagamento dos 3,4 mil servidores aposentados e pela a aposentadoria futura de outros 5,5 mil servidores sob seu regime previdenciário, o Instituto de Previdência da Serra (IPS) está gastando mais do que arrecadando, desde que a Prefeitura reduziu os repasses à instituição na gestão anterior. Até o final do ano o rombo acumulado pode chegar à R$ 80 milhões, segundo o secretário municipal da Fazenda, Henrique Valentim. Em entrevista concedida ao Tempo Novo no último dia 13, Valentim disse que o caixa do município não poderá bancar sozinho esse valor, ainda mais com a queda de receita gerada pela pandemia.   

No início de maio o atual diretor do IPS, Alessandro Comper, tornou público que de 2013 para cá a Prefeitura deixou de repassar R$ 334 milhões, o que levou ao desequilíbrio das contas da instituição. O que a atual gestão pretende fazer para evitar o colapso do IPS?

Esse é o tema mais preocupante que nós temos hoje a enfrentar sob o aspecto da Secretaria de Fazenda. O que ocorre: O orçamento anual vigente prevê a receita do IPS com base no repasse dos servidores, que é o que o servidor paga, prevê alíquota patronal que é o que a prefeitura paga e prevê ainda uma suplementar, que é o que a prefeitura também paga.

No decorrer dos anos o equilíbrio do IPS foi comprometido. Então chegou para nós uma notificação do Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCES) referente às contas de 2017, onde, para manter o equilíbrio financeiro do Instituto naquele ano, deveria ter sido feito um aporte de R$ 23 milhões. E não foi feito.

Então essa obrigação passa a ser nossa. Estamos falando de 2017. Essa diferença não está prevista no orçamento. E além dessa o que o Tribunal entende: eu tenho que contribuir com o financeiro. Se eu estou pagando a contribuição patronal e se a suplementar não é suficiente, eu tenho que fazer um aporte ainda maior. Esse aporte é que não vinha ocorrendo ao longo dos anos.

O advogado, técnico contábil e especializado em gestão pública Henrique Valentim assumiu a Fazenda da Serra no início do ano, depois de ter comandado a mesma pasta em Vitória. Foto: Divulgação/Prefeitura de Vitória/Leonardo Silveira

A Prefeitura já sabe quanto ela precisa aportar no total para reequilibrar as contas do IPS?

Uma prévia do IPS que recebemos eles entendem que talvez esse ano da ordem de R$ 55 milhões. Então são R$ 55 milhões que eu tenho que tirar do orçamento e eu não tenho receita extraordinária para isso. Se eu tivesse um incremento da receita, ok, teria excesso de arrecadação e poderia honrar esse compromisso.

Então é outro assunto que ainda estamos estudando a fundo, a gente se reúne praticamente toda semana procurando novas soluções, vendo se é aquilo mesmo, se consegue abaixar, se não consegue. Estamos estudando para ver se o que a prefeitura vai ter que dar conta é todo esse montante.

Tem risco de faltar dinheiro para pagar os servidores aposentados?

Eu não consegui me aprofundar nas contas do IPS porque é a diretoria de lá que avalia isso. Mas pelos dados públicos é evidente que não está tendo equilíbrio, você tem mais despesa do que receita e aí está sendo usado recurso de aplicação, o que não deveria, então você vai dilapidando esse patrimônio. Então já em 2027, segundo esses números, já seria negativo. O valor para pagar aposentadoria já seria menor que a receita do ano e menor inclusive do que qualquer outra receita ou ativo.

É preocupante porque quando você fala 2027 em nível previdenciário é logo ali. É isso que o Instituto está tratando lá, com muita cautela. Para mim é uma preocupação. E qual é a saída? É a Prefeitura aportar a diferença. E a Prefeitura com certeza não vai ter como aportar toda diferença.

O senhor se refere ao aporte de R$ 55 milhões somente em 2021?

São os R$ 55 milhões mais os vinte e tantos apontados pelo TCES (de 2017), que atualizados devem chegar por volta de R$ 30 milhões. Então são R$ 80 milhões para dar conta em um ano. É algo inconcebível para o nosso orçamento. Realmente é algo que nos preocupa hoje: um possível aporte ao IPS.

 

Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!