• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados
22.9 C
Serra
quinta-feira, 04 março - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados
Veja o que diz secretária de Saúde da Serra:

Hospital Materno Infantil contra Covid; telemedicina até o fim do ano; zerar fila da catarata em março

Leia também

Festival Voadora terá 12 shows autorais com destaques da música capixaba  

Cento e oitenta e seis projetos foram inscritos para o processo de seleção do Festival Voadora, cujas apresentações acontecem entre...

Detran implanta exame teórico digital na Ciretran Serra Sede e facilita vida de moradores

O município da Serra receberá mais uma Sala de Exames Teóricos digital do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito...

Vereador defende regulamentação do serviço de mototáxi na Serra

  Por meio do Projeto Indicativo de Lei 43/2021, o vereador Pablo Muribeca (Patriota) defende a regulamentação do serviço de...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

Secretária conversou com o Tempo Novo. Foto: Ana Paula Bonelli | Jornal Tempo Novo

O município da Serra detém a segunda maior estrutura em saúde pública do Espírito Santo, perdendo apenas para o Governo do Estado. Ao todo são 101 equipamentos de saúde, dos quais contabilizam quatro dezenas de Unidades Básicas de Saúde e três Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s). Quem foi designada pelo prefeito Sérgio Vidigal (PDT) para comandar a linha de frente desse arranjo de Saúde, é a enfermeira e gestora pública Sheila Cruz.

A reportagem do Jornal TEMPO NOVO esteve no gabinete da secretária em plena terça-feira (16) de carnaval. De acordo com ela a determinação de não ter ponto facultativo na Prefeitura neste período carnavalesco é um recado para a população, especialmente para aqueles que insistem em furar os protocolos sanitários.

Nessa entrevista dividida em duas partes (confira a parte 1) Sheila Cruz fala sobre os processos de digitalização dos serviços de saúde pública; cita as iniciativas voltadas a telemedicina que devem ser implantadas até o final do ano; esclarece as negociações que vem sendo feitas junto ao Governo do Estado para utilização do Hospital Materno Infantil com a finalidade de atender pacientes de covid-19; entre outros assuntos, defende também as iniciativas público-privadas na gestão da Saúde.

A pandemia acelerou alguns processos em relação a telemedicina, A Prefeitura está atenta a isso?

Com a pandemia os conselhos de medicina começaram a autorizar o uso da telemedicina. Pelo atendimento online já estamos organizando algumas ferramentas para começar a fazer piloto de telemedicina na Serra. O WhatsApp não é uma ferramenta adequada para isso; estamos estudando uma plataforma própria para disponibilizar aos médicos e a população.


“Ou seja, se houver um número excedente de casos de Covid, o Estado vai organizar pacientes para o Hospital Materno Infantil”


Tem estimativa de prazo para essa ferramenta começar a funcionar?

Este ano o nosso foco é a campanha contra o coronavírus. Mas temos um grupo discutindo a telemedicina para ver se até o final do ano fazemos alguma ação concreta nesse sentido. Telemedicina é diferente do teleatendimento de Home-office, que é o atendimento onde o médico que está no domicílio.

Outro ponto importante neste momento é o processo de estadualização do hospital Materno Infantil. Hoje é já é de responsabilidade do Governo do Estado?

Ele é do Estado. O município da Serra cedeu aquela estrutura para o Estado fazer a gestão. Então, ele tem um perfil, que é um hospital materno. O que aconteceu é que, em virtude da epidemia, houve uma preocupação do Estado em ter um incremento em termos de estrutura, especialmente depois do Natal, ano novo e carnaval. Ou seja, se houver um número excedente de casos de Covid, o Estado vai organizar pacientes para lá; uma adaptação para atendimento de Covid. Isso está em diálogo com o Estado frequentemente porque a pandemia está em curso; ali já temos leitos preparados, estruturados para poder utilizar.

Acredita que isso vai chegar a acontecer?

Tem sido feita por parte do Estado uma adaptação; já está em curso. Não posso falar uma previsão porque esse cronograma é com eles. Mas fazemos reuniões periódicas com eles também em relação a isso.

Existe algum calendário para a digitalização da saúde no município? Especialmente para serviços diretos à população, como agendamento online de consultas, por exemplo…

O prefeito já estipulou o prazo de até 2023 para todos os processos serem informatizados e os serviços de saúde vão acompanhar esse prazo. Montamos uma equipe de TI, juntamente com os especialistas da saúde. O foco neste primeiro momento é fazer o agendamento online para a campanha de vacinação. Mas já estamos desenvolvendo, por exemplo, agendamento online de consultas e a questão do prontuário eletrônico, entre outros. Já temos o sistema do E-SUS, que é um Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC), do Ministério da Saúde. Vamos otimizar essa ferramenta com as outras tecnologias que estão sendo construídas para ir modernizando a rede de saúde.

Outro debate que movimenta a Saúde da Serra é sobre as organizações sociais na gestão. Essa tendência vai ser ampliada?

Em relação à parceria público-privada, o desejo da gestão é manter as parcerias. A Hoje a temos na UPA Carapina e na UPA Castelândia. É uma gestão compartilhada; a gente passa o recurso e monitora; tem um plano de trabalho, com indicadores, com métrica, produção que eles precisam cumprir qualitativamente, quantitativamente.

Então a tendência de parceria público privada na Saúde vai ser mantida…

Então essa é a ideia, e eu acho que a parceria público-privada vem contribuir. Tem alguns serviços que a gente já faz a parceria público-privada e funciona, como a recepção, portaria e jardinagem. Mas funciona se a gente tiver um bom gestor do contrato, um bom fiscal do contrato, onde a gente possa ter mecanismos de controle, de regulação desses serviços, protocolos, fluxos bem estabelecidos; a gente vai aprimorando o sistema.

O custo de um paciente em uma UPA gerida por OS é mais baixo?

Não deveria ser maior, porque esse paciente tem um custo, sendo a administração direta ou não. O que muda é a rapidez que a OS tem em contratar pessoas, em comprar isumos. Então é só a agilidade nos processos. Mas o custo tem que se manter em equilíbrio com a administração direta.

Sobre especialidades, sabendo que é responsabilidade do Governo do Estado e que a demanda do município é crescente. Existe algum planejamento no sentido de fluir esses pacientes a contento?

Nesse momento a gente está buscando fazer um diagnóstico dessa fila, rever esta fila novamente, e a gente tem buscado algumas parcerias com o Governo do Estado para dar maior agilidade; podemos fazer a programação de mutirão também para ter um acesso mais rápido. Estamos com perspectiva de tentar zerar até março a fila da catarata. São filas que nos preocupam e que a gente está tentando.

Qual é a principal fila hoje?

Oftalmologia. Por isso a gente está revendo como a gente vai tratar essa fila, se vai credenciar algum serviço; a telemedicina é algo que agiliza, pode ajudar. Então são ações que a gente ainda está modelando para começar a executar ainda esse ano.

Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Saiba mais
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!