26.6 C
Serra
quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Vidigal pressiona ministro, que diz poder “reavaliar” cortes na Educação

Leia também

Em 24 horas, Serra registra 301 novos casos e mais dois moradores mortos pela Covid-19

A Serra ultrapassou a triste e preocupante marca de 23.600 casos de coronavírus. De acordo com a última atualização...

Eleição 2020 | Mais de 2.500 agentes farão segurança nas cidades que terão segundo turno

Mais de 2.500 agentes da Segurança Pública irão trabalhar para garantir o andamento do segundo turno das Eleições 2020...

Comandada pela Prefeitura, Guarda entra em confronto com coletores de lixo em greve | Veja vídeo

A tarde da última quarta-feira (25) foi de muita tensão na base da Corpus, em Vila Nova de Colares....
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Deputado se reuniu a Ministro da Educação e cobrou explicações sobre cortes. Foto: Gabriel Almeida

Após a polêmica gerada pelo Governo Bolsonaro ao anunciar que o corte de 30% na Educação que irá afetar diretamente as universidades e institutos federais, o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) cobrou explicações sobre as medidas ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, e adiantou que os cortes podem ser “reavaliados”, segundo teria informado o ministro.

Em reunião realizada com o ministro, Vidigal afirmou que estava preocupado com o futuro das instituições que sofreriam o corte. “Os investimentos em educação são prioritários. Portanto, viemos aqui para defender que nossas universidades e institutos federais não sejam prejudicados”, afirmou o deputado durante a reunião. Ainda segundo o parlamentar, o ministro teria dito a ele que os cortes poderão “ser reavaliados”, caso houvesse melhorias nas contas públicas.

Nesta semana, o Tempo Novo noticiou que, por meio das redes sociais, o deputado federal parecia amenizar os cortes na área da Educação, anunciados pelo Governo de Jair Bolsonaro (PSL). Em seu Facebook, Vidigal declarou que não se trataria de “corte de despesas, e sim, contingenciamento” e que teria recebido essa garantia do próprio ministro da Educação, Abraham Weintraub, que é o responsável direto pela polêmica medida.

Mas de acordo com a assessoria de comunicação do parlamentar, Vidigal não amenizou a medida ao caracterizar a redução de repasses como “contingenciamento” e reafirmou que está muito preocupado com a saúde financeira das instituições de ensino e o rebatimento que essa política pode ter na oferta e na qualidade do ensino no Brasil.

Entenda os cortes do Governo Bolsonaro

Toda a polêmica dos cortes do Governo Bolsonaro começou quando o ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou que iria cortar 30% das universidades federais, que estariam, segundo ele, provendo “balbúrdia”. “Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”, disse o ministro

Na ocasião, o ministro acusou de promover “balbúrdia” a UnB (Universidade de Brasília), a UFBA (Universidade Federal da Bahia) e a UFF (Universidade Federal Fluminense), e que os cortes seriam apenas nessas instituições.

Após a polêmica gerada e acusações de perseguição contra as instituições, o Ministério da Educação disse que não realizaria o corte apenas nas universidades que “promoveriam balbúrdia”, mas que o contingenciamento seria em todos os institutos e universidades federais.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!