21.1 C
Serra
sexta-feira, 10 de abril de 2020

Vidigal pede investigação de capixabas na CPI do BNDES

Leia também

Império de Fátima vai doar cestas básicas para circos e máscaras para unidades de saúde da Serra

A escola de samba Império de Fátima se mobilizou para ajudar famílias carentes e artistas circenses da Serra. A agremiação...

Três secretários de Audifax devem disputar as eleições municipais em outubro

  A Prefeitura da Serra confirmou a desincompatibilização dos secretários Igor Elson B. de Almeida e Elcimara Rangel dos cargos de...

Número de casos confirmados da Covid-19 sobe para 300 no Espírito Santo

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Espírito Santo aumentou. De acordo com a última atualização divulgada...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Sérgio Vidigal está em seu primeiro mandato como deputado federal. Foto: Bruno Lyra
Sérgio Vidigal está em seu primeiro mandato como deputado federal. Foto: Bruno Lyra

Membro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga irregularidades nos empréstimos concedidos pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), o deputado federal e ex-prefeito da Serra, Sérgio Vidigal (PDT), quer saber se ocorreram irregularidades em financiamentos de empresas do Espírito Santo.

A assessoria do deputado informou que por meio do requerimento 73, Vidigal pediu ao BNDES a relação e cópia dos contratos em vigor firmados com empresas instaladas no ES.

“É importante incluir empresas do Espírito Santo nesta rota de investigação. Vivemos um momento único de combate à corrupção, por isso não podemos deixar o nosso Estado esquecido. É fundamental lançar luz aos contratos firmados entre os anos de 2003 a 2015”, justifica.

O deputado lembrou o caso da obra da sede da Petrobras em Vitória, na Reta da Penha, que foi alvo da CPI da investiga irregularidades na estatal. Com orçamento inicial de R$ 90 milhões, o prédio começou a ser erguido em 2005 e seria inaugurado em 2009, mas só foi ocupado em 2011.

Em 2007, a conta já estava em R$ 486 milhões. O custo total saltou para R$ 580 milhões. E citou que existem também fortes indícios de pagamento de propina nas obras da rede gasodutos Gasene, no trecho entre Cacimbas – no município de Linhares e Catu (Bahia).

“Diante de tais revelações torna-se necessário verificar junto ao BNDES se houve recursos destinados à construção da sede da estatal na Capital do Espírito Santo”, conclui.

Comentários

Mais notícias

Três secretários de Audifax devem disputar as eleições municipais em outubro

  A Prefeitura da Serra confirmou a desincompatibilização dos secretários Igor Elson B. de Almeida e Elcimara Rangel dos cargos de secretário de Serviços e de...

Número de casos confirmados da Covid-19 sobe para 300 no Espírito Santo

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Espírito Santo aumentou. De acordo com a última atualização divulgada pela Secretaria de Estado da...

Serra tem 11 novos casos de coronavírus e registra 64 pacientes contaminados

Em 24 horas, a Serra teve um aumento significativo no número de casos confirmados do novo coronavírus. De acordo com a última atualização divulgada pela...

Novos partidos alteram o tabuleiro no plenário da Câmara da Serra

Os sem-partido Os vereadores passaram um perrengue nos últimos dias do prazo para filiação partidária para quem tem mandato, 3 de abril. Após o corre-corre,...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem