22.6 C
Serra
sábado, 04 de julho de 2020

Vereadores da Serra iniciam debates sobre reajuste dos salários

Leia também

Projeto garante teste gratuito de coronavírus a doadores de sangue

Tramita na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei versa sobre a inclusão de testes para detecção da Covid-19 em...

Viviane Miranda fará segunda live solidária no dia 12 de julho

A cantora Viviane Miranda, moradora de Feu Rosa, na Serra, fará sua segunda live solidária no próximo dia 12...

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Plenario Camara
O reajuste dos subsídios é um tema espinhoso em ano eleitoral. Foto: Conceição Nascimento

Por Conceição Nascimento

Conforme o Jornal Tempo Novo antecipou na edição 1182, a Câmara da Serra já discute proposta para o subsídio dos vereadores da próxima legislatura: 2017-2020. E nesta segunda-feira (20), o tema, até então tratado nos bastidores, foi levado ao Plenário, quando parlamentares apontaram algumas propostas sobre o percentual a ser incorporado aos atuais R$ 9.2 mil. A votação final deve ser feita, obrigatoriamente, antes das eleições de dois de outubro, conforme a Legislação.

Os parlamentares podem pleitear o reajuste entre 40 e 60% dos vencimentos de um deputado estadual, que somam 25.322.25. Um grupo, que seria formado por vereadores mais antigos na Casa, defende o reajuste no limite dos 60%, equivalente a R$ 15.193,53. Outros vereadores defendem um reajuste na base dos 40%, que daria R$ 10.129,02.

Mas com as galerias lotadas, a Câmara aparentemente recuou e protelou o debate para as próximas sessões. Isso porque alguns vereadores utilizaram os microfones para informar que preferem manter os atuais subsídios. Mas para isso, é necessário promover mudanças no texto da Lei Orgânica Municipal (LOM), que não prevê o congelamento.

“Vamos alterar a LOM para que possamos votar o mesmo valor para a próxima legislatura, pois o limite mínimo seria de 40% de um deputado. Caso contrário, a manutenção seria inconstitucional”, disse o vereador Aldair Xavier (PDT), presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Casa.

Para mudanças na LOM é preciso que haja votação em dois turnos e a aprovação de dois terços da Câmara, oito vereadores. “A primeira votação deve ocorrer na quarta, e a segunda, no mínimo dez dias após”, acrescentou Xavier.

 

Comentários

Mais notícias

Viviane Miranda fará segunda live solidária no dia 12 de julho

A cantora Viviane Miranda, moradora de Feu Rosa, na Serra, fará sua segunda live solidária no próximo dia 12 de julho, as 16 horas....

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do acompanhante), que alterou a lei...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!