• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.377 casos
  • 956 mortes
  • 48.328 curados
28.4 C
Serra
terça-feira, 13 abril - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.377 casos
  • 956 mortes
  • 48.328 curados
Caso Tims:

Vereadores abrem CPI para investigar empresa que fatura milhões explorando área pública de graça

Leia também

Após paralisação dos rodoviários, ônibus do Transcol ficam superlotados na Serra

Logo após causar transtornos na vida de milhares de capixabas, a paralisação promovida por rodoviários do sistema Transcol deixaram...

Rodoviários impedem retorno do Transcol e deixam população sem ônibus nesta terça

A terça-feira (13) começou com grandes dificuldades para quem depende do transporte público nas cidades da Grande Vitória, inclusive...

Feu Rosa registra 41 mortes e já possui 1.932 moradores infectados pelo coronavírus

Sendo uma das comunidades mais afetadas pela pandemia de coronavírus na Serra, Feu Rosa segue contabilizando altos números de...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

Entrada do Tims: terreno concedido pelo Município à AGTI tem 2,4 milhões de m², dos quais a empresa constrói galpões e aluga para terceiros, sem pagar nada ao município.

Em conjunto, os 23 vereadores da Serra oficializaram uma Comissão Especial de Inquérito (CEI – que é semelhante a já largamente conhecida CPI) para investigar a AGTI, que supostamente estaria explorando uma área pública de 2,4 milhões de m² sem pagar a tarifa de uso que consta no termo de concessão firmado em 1992.

A denúncia foi publicada pelo Jornal TEMPO NOVO na semana passada (e você pode ler na íntegra aqui). Em resumo, a AGTI – Andrade Gutierrez Terminais Intermodais S.A – detém a concessão do Tims – Terminal Industrial Multimodal da Serra.

No início dos anos 90, o polo industrial foi construído em uma área pública nobre, de 2,4 milhões de m², da qual a AGTI explora desde então, faturando alto por meio da construção e aluguel de galpões para grandes empresas, tudo isso sem pagar nada para o município da Serra, descumprindo o termo de concessão. De acordo com um especialista imobiliário, teriam deixado de entrar no caixa da cidade, cerca de R$ 20 milhões nos últimos 29 anos.

Na segunda-feira (01), o caso ganhou repercussão na Câmara Municipal da Serra, quando o vereador dr. William Miranda (PL) subiu à tribuna e cobrou uma ação do Poder Legislativo no sentido de investigar o caso. O parlamentar foi seguido por outros colegas que defenderam uma apuração dos fatos e punição à empresa, caso seja confirmado o não pagamento da tarifa de uso, conforme consta como item obrigatório no termo de concessão. Vale ressaltar, que o valor atual giraria em torno de R$ 500 mil/mês.

Na sessão seguinte, dessa última quarta-feira (03), foi lido e aprovado pelo plenário da Câmara a criação de uma comissão Especial de Inquérito – que se assemelha a uma CPI – para que os parlamentares investiguem mais profundamente o caso. A reportagem do TEMPO NOVO ainda não conseguiu apurar quem serão os membros dessa Comissão e quem poderá ser intimado para prestar esclarecimentos.

Como de praxe, a reportagem tentou contato com o outro lado, no caso a AGTI, que por sua vez, mesmo detendo uma concessão pública, continua se negando a prestar qualquer tipo de esclarecimento.

Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!