Vereador “rebelde” pode ser expulso do Partido Verde

0
Gidinéia e Edinaldo: presidentes estadual e municipal do PV argumentam que vereador agiu na contramão dos interesses da legenda. Foto: Divulgação
Gidinéia e Edinaldo: presidentes estadual e municipal do PV argumentam que vereador agiu na contramão dos interesses da legenda. Foto: Divulgação

Clarice Poltronieri / Yuri Scardini

Enquadrada. É o que o Partido Verde pretende dar no vereador da Serra, Tio Paulinho. O PV, que é um dos partidos da base do prefeito Audifax Barcelos (Rede), questiona as últimas posições do parlamentar serrano, que vem se mostrando mais alinhado ao grupo de oposição ao prefeito na Câmara de Vereadores. Para isso, o PV diz que irá encaminhar o caso para a Comissão de Ética Estadual do Partido, e Tio Paulinho será convocado para dar explicações. Entre as punições previstas, o partido não descarta expulsar o vereador.

Recentemente Tio Paulinho deu a assinatura que faltava para abertura da CPI da Saúde, que é articulada por vereadores de oposição e ligados ao possível rival eleitoral de Audifax, o ex-prefeito e atual deputado federal Sérgio Vidigal (PDT). Na outra ponta, o vereador não assinou a CPI do IPS, que é movimentada por parlamentares da base audifista e vai em desencontro aos interesses de Vidigal.

Cidinéia Fontana, presidente estadual do PV, diz que o parlamentar foi na contramão do pensamento do partido no município e não ouviu a direção partidária para tomar as posições. “Se o vereador ou qualquer outro pré-candidato optar por seguir outro projeto politico no município, o mesmo será desligado da legenda independente de ser detentor de mandato”, diz Cidinéia.

Já Edinaldo Fernandes, presidente do PV municipal, afirma que em nenhum momento o vereador foi engando sobre para qual lado o partido caminharia.
“Qualquer liderança desalinhada com a posição partidária, que é seguir com o prefeito Audifax, não disputará as eleições pelo PV, até porque o tempo para debater isso já passou. Vamos avaliar as penalidades e o estatuto do partido a nível nacional, é possível pensar em expulsão”.

O outro lado

Já Tio Paulinho argumenta que não houve orientação do partido no caso das CPI’s. “Assinei a CPI da Saúde visando esclarecer algumas situações que temos na cidade. O PV em momento nenhum se reuniu comigo no sentido de não assinar. A outra CPI, do IPS, já houve na legislatura passada, nem os vereadores da Rede assinaram”.
O vereador ainda cobra mais diálogo com o prefeito Audifax. “Tem seis meses que estou tentando uma agenda com o prefeito e ainda não consegui. Está faltando diálogo do nosso prefeito com a Câmara de Vereadores, não é só comigo”.

Sobre a possibilidade de expulsão do partido, Tio Paulinho diz não acreditar que tal fato ocorrerá. ”Tenho um relacionamento muito bom com a Executiva municipal e a estadual. Não acredito em expulsão do partido, mas se vier a acontecer, tem leis que eu vou recorrer. Além do mais não nasci vereador, a vida segue. Sou empreendedor, comerciante e vou tocar minha vida e espero que quem fique faça o melhor por nossa cidade. Eu estou preparado para isso, não tenho dificuldade nenhuma em não ser candidato”.

Comentários