25.2 C
Serra
sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Tribunal de Contas determina retenção de pagamentos de contratos da Câmara da Serra

A Corte alega que os valores contratados estão acima dos praticados no mercado

Leia também

Bruno Lamas e Guilherme Lima formam chapa puro sangue rumo a disputa pela prefeitura

O deputado estadual Bruno Lamas (PSB) definiu uma chapa puro-sangue para a disputa da Prefeitura da Serra. O nome...

Vândalos destroem horta e jardim de unidade de saúde da Serra

Funcionários da unidade de saúde de Jardim Tropical, na Serra, tomaram um susto ao chegar ao trabalho hoje (18)...

Médico do Jayme e morador de Jacaraípe, dr. Afonso Pimenta é o vice de Vandinho

Com 27 anos de profissão dedicados aos serranos, cirurgião quer ajudar a melhorar o sistema de saúde da cidade. O...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Câmara da Serra. (Foto: Gabriel Almeida)

Com o objetivo de evitar prejuízos aos cofres públicos, o Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE-ES) concedeu medida cautelar determinando que o presidente, o coordenador administrativo e o pregoeiro oficial da Câmara Municipal da Serra retenham o pagamento mensal no valor de R$ 28.428,58 de serviços administrativos Segundo análise técnica da Corte, há evidências de contratação com preços acima do praticado no mercado.

O relator, conselheiro Sergio Aboudib, optou por seguir a orientação técnica. Ele foi seguido pelo Plenário. Auditores do Núcleo de Controle Externo do Tribunal se manifestaram pelo deferimento da medida, indicando “evidências fartas aptas a comprovar o quão oneroso está o contrato 11/2019, quando comparados os custos dos postos contratados pelo Legislativo da Serra com os de outros órgãos públicos municipais e estaduais do Espírito Santo”.

Foram verificadas as contratações de encarregado, copeiro, recepcionista, garçom e apoio administrativo. Os responsáveis foram notificados ainda para que, no prazo improrrogável de cinco dias, comprovem o cumprimento da cautelar perante o TCE-ES e encaminhem cópia integral da documentação.

E que, no prazo improrrogável de 10 dias, estes mesmos agentes públicos se manifestem, caso queiram, podendo apresentar informações complementares que entender relevantes à instrução processual.

A defesa da Câmara alega junto à Corte que a contratação foi vantajosa. A reportagem procurou a Procuradoria da Câmara para que se manifestasse, mas até o momento não obteve retorno.

Comentários

Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Mais notícias

Vândalos destroem horta e jardim de unidade de saúde da Serra

Funcionários da unidade de saúde de Jardim Tropical, na Serra, tomaram um susto ao chegar ao trabalho hoje (18) pela manhã. É que a horta...

Médico do Jayme e morador de Jacaraípe, dr. Afonso Pimenta é o vice de Vandinho

Com 27 anos de profissão dedicados aos serranos, cirurgião quer ajudar a melhorar o sistema de saúde da cidade. O médico cirurgião Afonso Carlos Vanzo...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!