28 C
Serra
quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Supermercado e empresa são condenados a pagar R$ 6 mil a cliente que encontrou larvas em doce

Leia também

Magia do circo é tema da Império de Fátima no Carnaval de Vitória

Falta menos de um mês para o Carnaval de Vitória e as escolas de samba já estão com os...

Rosas de Ouro leva homenagem ao congo para o Sambão do Povo

Falta menos de um mês para o Carnaval de Vitória e as escolas de samba já estão com os...

Serra dá primeiro passo para conquista do hepta  

O Serra Futebol Clube dará o primeiro passo para buscar o heptacampeonato capixaba neste sábado (25), às 15h, contra...
Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Ao ingerir um pedaço do doce, o homem afirmou ter sentido um sabor estranho. Preocupado, resolveu abrir a “barrinha” e acabou encontrando larvas de inseto, bem como uma substância esbranquiçada. Foto: Divulgação

Um homem vai receber uma indenização de R$ 6 mil reais por encontrar larvas de inseto num doce. O valor deverá ser pago pelo supermercado e por uma empresa do ramo alimentício que produziram o alimento.

Segundo o consumidor, ele comprou um pacote do produto e, ao ingerir um pedaço do doce, afirmou ter sentido um sabor estranho. Preocupado, ele resolveu abrir a “barrinha” e acabou encontrando larvas de inseto, bem como uma substância esbranquiçada. A situação lhe causou repulsa e preocupação, por isso ele pediu pela condenação das empresas ao pagamento de indenização por danos morais.

A empresa de alimentos afirmou não ter praticado o ato ilícito e pediu a improcedência do pedido. Durante julgamento, ela também explicou todo processo de produção de seus produtos. Já o supermercado que comercializou o doce apenas refutou os argumentos e requereu a rejeição do pedido.

De acordo com a juíza, o depoimento prestado pela funcionária da companhia alimentícia não contribuiu para a explicação do caso, uma vez que foi relatado apenas sobre o processo costumeiro de produção e distribuição dos produtos, e não dos fatos concretos discutidos nos autos. “Em que pese o trabalho árduo da primeira requerida em indicar que sua produção é feita dentro de padrões elevados de higiene e segurança alimentar, tal não elimina a possibilidade de, no caso concreto, ter havido contaminação do produto posto para a venda”, acrescentou.

Após análise, a juíza considerou comprovado a presença do corpo estranho no produto, assim como a responsabilidade dos réus, condenando o supermercado e a empresa ao pagamento de R$6 mil em indenização por danos morais. O caso aconteceu em Baixo Guandu.

Comentários

Mais notícias

Rosas de Ouro leva homenagem ao congo para o Sambão do Povo

Falta menos de um mês para o Carnaval de Vitória e as escolas de samba já estão com os preparativos a todo a vapor....

Serra dá primeiro passo para conquista do hepta  

O Serra Futebol Clube dará o primeiro passo para buscar o heptacampeonato capixaba neste sábado (25), às 15h, contra o Real Noroeste. A partida...

Concurso Musical agita praça de Nova Almeida no fim de semana

O final de semana de Nova Almeida também terá o Concurso Musical Canta Serra que contará a participação de 50 concorrentes. Será nos dias 07,...

Baiana ganha palcos do ES com axé e samba

Dona de uma voz marcante e encantadora a cantora Andréa Nery, baiana de Santo Antônio de Jesus já ganhou o coração dos capixabas com...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem