17.4 C
Serra
sábado, 30 de Maio de 2020

Serranos curtem orgânicos, mas preço ainda é barreira

Leia também

Com 569 mortes por Covid-19, Estado investiga outros 41 óbitos suspeitos

Quarenta e um óbitos estão sendo investigados no ES para saber se as pessoas morreram de Covid-19. O Espírito...

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda

A partir da próxima segunda-feira - dia 1º de junho - os shoppings centers da Grande Vitória poderão abrir...

Sobe para 2.374 o número de casos confirmados de coronavírus na Serra

Continua subindo o número de casos confirmados de coronavírus na Serra. De acordo com a última atualização divulgada pela...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Diferença de preço entre produtos com veneno e sem chega a 500%. Foto: Gabriel Almeida

Gabriel Almeida

Optar por uma alimentação a base de frutas, verduras e legumes orgânicos é uma ótima alternativa para a saúde. Mas não tanto para o bolso. Em alguns casos os produtos podem custar mais de cinco vezes o valor do similar cultivado com o uso de agrotóxicos. 

Em supermercados da Serra, a reportagem constatou que alguns produtos orgânicos podem chegar a ter mais de R$ 10 de diferença no valor do quilo, uma diferença de mais de 500%.  Um exemplo é a cebola num estabelecimento localizado na Av. Central de Laranjeiras. Enquanto a cebola orgânica custa 15,90 o quilo, a com agrotóxicos está custando R$ 2,49.

A cenoura orgânica chega a ser vendida a R$ 12,90 o quilo e a com veneno custa R$ 3,49, uma variação de 270%. Já a penca da banana produzida com agrotóxicos custa R$ 2,40 e a sem veneno está no valor de R$ 4,00, portanto 66% mais cara.  A batata doce também é um exemplo, sem agrotóxicos custa R$ 9,90 o quilo, já a não orgânica sai a R$ 4,49 o quilo, deixando a conta 125% mais salgada.

Situação que, se não impede, limita a alimentação com produtos mais saudáveis para quem gostaria de consumi-los com maior frequência. É o caso da Lene Lopes, de Nova Almeida. “Infelizmente os alimentos orgânicos são um pouco mais caros. Compro os orgânicos apenas para meu consumo. Não consigo comprar para todo mundo da minha casa por causa do valor que é bem mais alto”, lamenta.

Nara Aparecida Moreira, da Serra-Sede, utiliza os orgânicos. “Hoje posso adquirir esses alimentos para ficar com minha saúde em dia, mas seria melhor se fosse mais barato, pois mais gente poderia comer e desfrutar dos benefícios”, ressalta. 

Na Serra, atualmente existem três feiras orgânicas em bairros diferentes do município. Uma delas acontece na comunidade de Valparaíso toda terça-feira das 15 h às 21h em frente à Maria Penedo. Em Colina de Laranjeiras, a feira é todas as quartas-feiras na Praça Central do bairro das 16 horas às 20 horas. Em Serra-Sede, a feira ocorre também as terças, das 15 horas às 21 horas, na Praça de Encontro. O Extrabom de Laranjeiras e de Valparaíso também oferece produtos orgânicos todos os dias.

Comentários

Mais notícias

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda

A partir da próxima segunda-feira - dia 1º de junho - os shoppings centers da Grande Vitória poderão abrir as portas com restrições que...

Sobe para 2.374 o número de casos confirmados de coronavírus na Serra

Continua subindo o número de casos confirmados de coronavírus na Serra. De acordo com a última atualização divulgada pela Secretaria de Estado da Saúde...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!