21 C
Serra
quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Redução do salário de prefeito e equipe divide vereadores

Leia também

Vidigal promete vigiar poluição do ar, ampliar reservas ambientais e revisar PPP do esgoto

Com a bagagem de já ter sido prefeito três vezes da Serra Sérgio Vidigal (PDT) volta a disputar o...

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30%...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Caso o projeto seja aprovado, a Prefeitura espera economizar R$ 3,5 milhões/ano. Foto: Arquivo TN/fábio Barcelos
Caso o projeto seja aprovado, a Prefeitura espera economizar R$ 3,5 milhões/ano. Foto: Arquivo TN/fábio Barcelos

Conceição Nascimento

O clima de rivalidade na Câmara da Serra está cada vez mais intenso. Sintoma disso é o Projeto de Lei 59/2016 que promete dividir os vereadores. De autoria do prefeito Audifax Barcelos (Rede), a matéria prorroga até o fim do ano alguns ajustes de redução temporária de comissões e gratificações; redução da jornada dos cargos comissionados, com a diminuição dos vencimentos, inclusive do prefeito, vice e secretários.
De um lado, aliados do prefeito dizem que o projeto prevê redução de gastos na ordem de R$ 3.5 milhões; do outro, vereadores de oposição dizem que a matéria é inconstitucional.

O vereador Basílio da Saúde (Pros), por exemplo, já adiantou que não pretende liberar o projeto para apreciação do plenário. Ele preside a Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final. “A matéria foi considerada inconstitucional pela juíza Telmelita Guimarães. A comissão deve acompanhar a decisão da magistrada”, adiantou.

Já o Secretário de Administração, Cláudio Melo, afirma que a oposição trabalha na perspectiva de “quanto pior, melhor”. “Economizamos R$ 2,7 milhões desde o fim do ano passado, quando o projeto entrou em vigor. A oposição só quer atrapalhar. Acho que os vereadores em vez de criticarem uma medida de contenção de gastos, poderiam usar como exemplo e diminuir seus salários também”, disse o secretário.

O projeto que expira no dia 20 de maio, reduz os salários do prefeito e do vice em 20% e dos secretários em 12.5%. Este também é o percentual de perdas para as gratificações e comissões. Também altera a idade para aposentadoria compulsória, segundo a legislação federal.

As cargas horárias de trabalho dos servidores comissionados, exceto secretários, sofrem redução de 200 para 175 horas, com proporcional redução nos vencimentos e salários do cargo ocupado.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.
Artigo anteriorHora de arrumar
Próximo artigoDilemas do PT

Mais notícias

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30% maior que no mesmo período...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem três anos de história, mas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!