24.3 C
Serra
sexta-feira, 05 de junho de 2020

Projeto de escola da Serra vira referência no Estado

Leia também

Obrigado, ambientalistas serranos

Num momento em que as políticas de proteção ao meio ambiente sofrem pesado revés no Brasil, fica ainda mais...

Com ausência de Porto, Cabo Puppim quer manter vivo o DNA de direita na Câmara: “recebi uma missão”

Aos 43 anos de idade, o policial reformado e advogado, Bruno Puppim, se vê diante de um novo desafio:...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

A diretora da escola, Juliana Rohsner, apresentou os resultados à Comissão de Educação da Assembleia Legislativa. Foto: Divulgação

O projeto “Gestando sonhos, alcançando metas”, desenvolvido na Escola Estadual Jones José Nascimento, virou referência no Estado e foi apresentado em audiência na Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (12). 

A escola é situada em Central Carapina e enfrentava problemas crônicos de indisciplina, vandalismo, e baixa aprendizagem e estava prestes a ser fechada. A chegada da diretora Juliana Rohsner Vianna marcou o início do projeto, que reverteu a situação. 

“A escola era considerada a mais violenta do Espírito Santo. Tinha problemas de vandalismo, e chegou ao ponto de ser invadida por pessoas que tentaram matar o diretor da época. Havia uma determinação do Ministério Público do Estado para que a escola fosse fechada, e foi nesse contexto que assumi”, explicou a diretora.

Por orientação da diretora, entulhos foram recolhidos, reposicionada a sala da diretoria, salas posicionadas muito próximas às ruas foram retiradas, a escola foi pintada, cartazes com frases e imagens motivacionais foram afixados e até uma nova quadra foi adquirida.

Outras medidas adotadas pela diretora foi o fortalecimento de lideranças democráticas como o grêmio estudantil e o conselho escolar, além da aproximação com projetos sociais desenvolvidos por Organizações não Governamentais (ONG’s).

Os resultados não demoraram em aparecer. Dos 28,6% de alunos abaixo do conhecimento básico em Língua Portuguesa em 2017, ficaram apenas 3,4% em 2018. Já os proficientes passaram de 7,1% para 31%. Em Matemática, 50% tinham resultados abaixo do básico em 2017. No ano seguinte, esse número caiu para menos de 14%.

A escola agora é conhecida como Novo Jones e não é mais palco de vandalismo , violência, evasão ou pichações. 

Comentários

Mais notícias

Com ausência de Porto, Cabo Puppim quer manter vivo o DNA de direita na Câmara: “recebi uma missão”

Aos 43 anos de idade, o policial reformado e advogado, Bruno Puppim, se vê diante de um novo desafio: "contribuir com a mudança da...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!