26 C
Serra
segunda-feira, 06 de abril de 2020

Preocupação é frear contaminação e ajudar os mais pobres, diz Audifax

Leia também

Serra tem mais dois casos de coronavírus e doença cresce 7% em um dia no ES

A Serra tem mais dois casos confirmados do novo coronavírus, saltando de 31 para 33 o número de pacientes...

Casagrande nomeia Alexandre Ofranti para a Secretaria de Segurança

O coronel da Polícia Militar do Espírito Santo (PM-ES), Alexandre Ofranti Ramalho, assume nesta terça-feira (7) o posto de...

Serra registra 2 mil moradores infectados por dengue e intensifica combate

Com risco de ter um novo surto de dengue neste ano, a Serra já registrou 2.402 casos da doença...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Audifax disse que a economia deverá sofrer impactos que vão refletir negativamente na receita da Prefeitura da Serra. Foto: Divulgação / Prefeitura da Serra

Liderando o combate ao coronavírus na Serra, o prefeito Audifax Barcelos (Rede) prepara o município para atender os possíveis casos que chegarão à cidade. De acordo com ele, as Upas e as unidades de saúde estão funcionando normalmente e já foram tomadas medidas para proteger os servidores responsáveis pelos primeiros atendimentos e evitar que os locais se tornem vetores de transmissão.

Além disso, várias medidas foram tomadas, como suspensão das aulas, redução do quadro de servidores internos, paralisação de obras, entre outros. O prefeito também estima os impactos financeiros oriundos da paralisação da atividade econômica em decorrência do isolamento social, uma medida necessária para mitigar o contágio do vírus.

De acordo com Audifax, a Prefeitura terá que tomar medidas como suspensão de concursos e revisão de reajustes que estão sendo negociados. Além disso, ele não descarta usar o futuro Hospital Materno Infantil como uma espécie de centro de tratamento para pacientes infectados pelo Covid-19, caso for necessário.

Quais foram as primeiras medidas administrativas para começar a lidar com essa situação de crise sanitária mundial?

Eu criei, na semana retrasada, um comitê contra a crise do coronavírus. Esse comitê se reúne todas as tardes para avaliarmos o que está sendo feito no estado, as nossas ações internas,os números da contaminação. Então, todas as tardes eu lidero essa reunião para fazer as avaliações. Até o dia de hoje, foi essa a orientação dada.

Quais medidas estão sendo tomadas para atender os pacientes com suspeita e confirmação de coronavírus na Serra?

Primeiro, precisamos garantir a proteção dos nossos servidores. Eu orientei a limpeza e higienização com equipamentos especializados, utilizando álcool e com toda proteção. Precisamos estar com os nossos funcionários bem para atender à população. A gente estima que os mais afetados devam ser aqueles da parcela de menor renda. Então,não podemos fechar os serviços; ao contrário,precisaremos potencializá-los.

E qual será a estratégia adotada pelo Município?

Estaremos seguindo as orientações do Ministério da Saúde, da Organização Mundial de Saúde e da Secretaria de Estado da Saúde. Tive uma reunião com o governador,a quem solicitei algumas questões. Estaremos com o Hospital Jayme Santos Neves preparado para atender à população. É lá onde será feito o tratamento dos doentes.  Também estou correndo para que possamos ter outros espaços para atender a população que vai chegar. Na Serra, não tem nenhum caso confirmado, é importante dizer isso (até dia 19 de março, às 8h da manhã).

Em relação às escolas, quais medidas foram dotadas?

Como prevenção, nós cancelamos as aulas desde terça-feira (dia 17). A partir de segunda-feira (dia 23), vamos oferecera todas as famílias carentes da cidade cestas básicas para ajudar nesse momento de dificuldades. As pessoas podem procurar o Cras de Laranjeiras para conseguir a cesta básica. Tenho duas preocupações imediatas: 1 – evitar a contaminação– e, por isso, suspendemos as aulas;2 – evitar que as pessoas passem necessidades extremas. Torço para que isso não aconteça, mas se chegarmos ao ponto de fechar supermercados ou caso falte algum tipo de alimento,precisamos estar preparados e pensando sempre na população mais pobre.

A respeito de outros serviços,como o Sine,e demais prédios públicos, a exemplo do Pró-Cidadão, qual é a orientação?

Orientei que os secretários de cada pasta agissem com sabedoria, prudência e cautela no sentido de fazer uma escala para os seus respectivos servidores. Porque não precisa estar todo mundo lá. Então, internamente,a intenção é funcionar de forma bem reduzida. Ainda não é o caso de fechar os prédios públicos e limitar os serviços para a população – digo isso hoje (dia 19, quinta-feira); mas pode até ser que amanhã mude. As coisas acontecem numa velocidade impressionante. Nossa expectativa é de que vai ter um número menor de pessoas procurando os serviços, mas queremos mantê-los funcionando, especialmente aqueles serviços à população com renda menor.

As obras foram paralisadas? Deve atrasar o calendário previsto?

O importante, neste momento, não são as obras. Iríamos entregar hoje, dia de São José, a restauração de Queimado. Então, com todo respeito à área cultural, estamos focados no coronavírus neste momento. A única obra que vamos continuar tocando é o hospital Infantil. Tive uma reunião ontem com empreiteiros e, se não faltar ônibus, as obras vão ser tocadas normalmente, até porque não sabemos o que vai acontecer daqui a três, quatro, cinco meses. E se, de repente,precisarmos desse hospital para atender os pacientes do coronavírus? O mais importante é a vida das pessoas. As obras podem esperar um pouco mais.

Existe alguma conversa com o governador Renato Casagrande para um possível uso do Hospital Materno Infantil em caso de emergência?

Nossa previsão para a entrega do hospital era maio e junho. Essa era a nossa meta. Eu não sei. Nós vamos ter uma nova conversa com o governador, porque essa é uma obra importante para toda a população, independentemente dessa questão do coronavírus.

Já existe estimativa de impacto na economia da Serra em decorrência da paralisação das atividades?

O impacto vai acontecer concretamente. Estamos muito preocupados com isso, porque as informações que nós temos não são boas. Ontem,recebi ligações das grandes empresas da cidade; elas vão estar com redução de suas atividades. Então, isso vai impactar muito a nossa arrecadação, somado com a queda do ISS e outras quedas mais que nós vamos ter.

Ainda é cedo para falar em números?

É sim, até porque ainda não temos clareza da extensão dessa pandemia. O governador já sinalizou para uma queda brusca no ICMS e nos royalties. E se somarmos essas duas receitas, chegamos a quase 40% da receita total do município. Então, qualquer queda que as essas duas receitas apresentem, dará um impacto grande nos recursos arrecadados. Tínhamos feito uma estimativa de novos convênios, já foram cancelados; isso vai trazer um impacto grande. É por isso que, no decreto que baixei,suspendemos o concurso. Tinham algumas revisões de determinadas categorias. Peço até perdão a elas, porque estavam bem encaminhadas, mas vamos ter que adiar, não posso fazer mais.

Alguma mensagem para a população nesse momento de desafios e incertezas?

Precisamos manter a calma. Não vamos ficar de braços cruzados. Vamos trabalhar muito para passarmos por esse momento, e não podemos perder a fé em Deus; ao contrário, precisamos orar muito. Temos que lutar para sairmos desse momento muito ruim mais fortes, mais unidos emails tementes a Deus.


Cestas básicas 

Para ter acesso a cesta básica conforme anunciado nesta entrevista pelo prefeito Audifax – as famílias atendidas nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) devem agendar previamente o atendimento por telefone. O agendamento será na terça-feira (24), das 8h às 20h, pelos telefones 99799-6553 ou (27) 3338-2916. O atendimento no Cras de Laranjeiras será para concessão de benefícios eventuais de quem foi agendado a partir da próxima quarta-feira (25).

Comentários

Mais notícias

Casagrande nomeia Alexandre Ofranti para a Secretaria de Segurança

O coronel da Polícia Militar do Espírito Santo (PM-ES), Alexandre Ofranti Ramalho, assume nesta terça-feira (7) o posto de secretário de Segurança Pública. Ramalho substitui...

Serra registra 2 mil moradores infectados por dengue e intensifica combate

Com risco de ter um novo surto de dengue neste ano, a Serra já registrou 2.402 casos da doença somente em 2020. Felizmente, sem...

Em meio à pandemia, EDP vai deixar bairros da Serra sem energia

A pandemia gerada pelo novo coronavírus não está impedindo que a EDP Espírito Santo suspenda energia de bairros da Serra. Durante esta semana, muitas...

Número de pacientes curados do coronavírus sobe para 38 no ES

Dos 194 casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, 38 pacientes já estão curados da doença. A afirmação é da Secretaria de Estado da...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem