22.6 C
Serra
segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Oposição e Prefeitura não se entendem e Orçamento pode parar na Justiça

Leia também

Serra está há dois dias sem registrar mortes causadas pelo coronavírus, diz Estado

Mesmo seguindo na liderança do número de mortes causadas pela Covid-19 no Espírito Santo, a Serra não registra moradores...

Candidatura de Bruno Lamas é teste de popularidade do Governo nas eleições 2020

Os resultados das eleições de novembro, na Serra, podem ser a resposta do povo às ações do Governo do...

Políticos capixabas lamentam marca dos 100 mil mortos por coronavírus no Brasil

Políticos de todo o país manifestaram preocupação com o avanço do número de mortos em decorrência da Covid-19. O...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Prefeitura da Serra estima receita e despesas de R$ 1,7 bilhão para 2020. Foto: Everton Nunes

Na próxima quarta-feira (18), a Câmara da Serra entrará oficialmente em recesso. E incertezas pairam sobre o Orçamento de 2020, que ainda não saiu nem da Comissão de Finanças. Isso porque vereadores de oposição e a Prefeitura da Serra fazem um cabo de guerra em torno da implantação das emendas impositivas, que podem impactar as contas municipais em R$ 12 milhões (R$ 565 mil por parlamentar).

Após vereadores incluírem as emendas impositivas na Lei Orgânica e Audifax baixar um decreto suspendendo a medida, o caso deve parar na Justiça. De acordo com um vereador da base que não quis ter seu nome revelado, Audifax já teria acionado a Justiça a fim de anular a iniciativa dos vereadores.

Com isso, parlamentares de oposição ameaçam segurar a votação do Orçamento. “O prefeito entrou na Justiça contra as emendas impositivas. Era interessante o prefeito vir aqui e conversar, mas ajuizar vai emperrar a questão do Orçamento (atrasar a votação)”, disse.

Emendas impositivas são investimentos indicados por parlamentares que o poder Executivo é obrigado a cumprir; caso contrário, pode incorrer em crime de improbidade administrativa.

O líder do prefeito na Câmara, Luiz Carlos Moreira (MDB), contemporizou. “Eu trouxe uma proposta do prefeito que aceitaria emendas no valor de R$ 400 mil e cumpriria todas elas”. Moreira se refere a emendas não impositivas, ou seja, Audifax não seria legalmente obrigado a cumpri-las.

Procurado, o 1º Secretário da Mesa Diretora, Roberto Catirica (PHS), disse que “vamos (vereadores) fazer o máximo para votar antes de encerrar o ano legislativo (próxima quarta)”.

Já o vereador Pastor Ailton (PSC) disse que as emendas impositivas são legais e lembrou que os vereadores também discutem a questão do remanejo orçamentário, do qual a Prefeitura quer o percentual de 25%, mas vereadores defendem que seja feito de 5 em 5%.

A Prefeitura da Serra foi procurada e disse que “aguarda o autógrafo da lei da Câmara (aprovação do Orçamento na Câmara); se, porventura, receber proposta de emenda, será avaliada a possibilidade de execução na peça orçamentária 2020”. Além disso, não confirmou a informação divulgada por vereadores de que o prefeito teria acionado a Justiça para suspender a mudança na lei que instituiu as emendas impositivas.

Caso os vereadores não votem o Orçamento neste ano, a Prefeitura poderá ficar engessada para 2020. Isso porque, legalmente, o Município só poderá utilizar mensalmente 1/12 do orçamento global registrado em 2019 e terá dificuldades para o planejamento financeiro, uma vez que não poderá fazer empenhos.

 

Comentários

Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Mais notícias

Candidatura de Bruno Lamas é teste de popularidade do Governo nas eleições 2020

Os resultados das eleições de novembro, na Serra, podem ser a resposta do povo às ações do Governo do Estado durante a pandemia do...

Políticos capixabas lamentam marca dos 100 mil mortos por coronavírus no Brasil

Políticos de todo o país manifestaram preocupação com o avanço do número de mortos em decorrência da Covid-19. O governador Renato Casagrande (PSB) usou...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!