22.6 C
Serra
segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Hemorragia de um sonho

Leia também

Serra está há dois dias sem registrar mortes causadas pelo coronavírus, diz Estado

Mesmo seguindo na liderança do número de mortes causadas pela Covid-19 no Espírito Santo, a Serra não registra moradores...

Candidatura de Bruno Lamas é teste de popularidade do Governo nas eleições 2020

Os resultados das eleições de novembro, na Serra, podem ser a resposta do povo às ações do Governo do...

Políticos capixabas lamentam marca dos 100 mil mortos por coronavírus no Brasil

Políticos de todo o país manifestaram preocupação com o avanço do número de mortos em decorrência da Covid-19. O...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Yuri Scardini 

Do choque de mudança para o choque de realidade. Esta é uma síntese dos primeiros meses do governo Bolsonaro. Governar um país de proporções continentais como o Brasil demanda quadros políticos que compreendam em minúcia a complexidade desse desafio. Talvez Bolsonaro sequer tivesse noção de onde estava se metendo.

A pesquisa Ibope traz a queda de 15 pontos na aprovação do governo. Este número é muito sintomático, mas não tão imprevisível, uma vez que Bolsonaro prometeu muito e, naturalmente, a capacidade de realizar mudanças é muito mais lenta do que a voraz expectativa de seus eleitores.

Bolsonaro se elegeu prometendo soluções simplórias para o abismo da realidade. “Acabar com a corrupção? Vamos prender o Lula e os “petralhas”! Melhorar a Educação? Vamos dar um fim na doutrinação marxista das escolas! Segurança Pública? A solução é armar todo mundo!” Economia? Agora eu sou liberal!, taokay?”.

O problema é que ele é vidraça agora. E as soluções não apareceram como num passe de mágica. O brasileiro se acostumou a entender a política como um “FlaxFlu”. Isso é muito nocivo para a democracia, uma vez que além de ser um erro infantil, alçar políticos à condição de heróis é uma fantasia perigosa. O fanatismo cego de direita é equivalente ao de esquerda em corporativismo ideológico; aquele mesmo que faz pessoas crerem na inocência do ex-presidente Lula.

A governabilidade de Bolsonaro está condicionada ao seu apoio popular. Portanto, se ele se desidratar, os “leões” de tocaia em Brasília vão dar o bote, e não vai ter Twitter que segure. Outro problema é contemporizar as várias vertentes internas do governo. Obviamente, todo governo tem suas disputas internas; mas sob discurso antipetista, Bolsonaro uniu água e óleo: o positivismo do exército ao fundamentalismo religioso da bancada evangélica. O liberalismo com os ruralistas. Este caldo químico está fervendo e Bolsonaro não dá sinais de que terá habilidade para contemporizar tantos interesses.

Sem contar os atos questionáveis de seus filhos e também suas relações aproximadas com milicianos cariocas. Tudo isso pode deflagrar crises nucleares dentro do governo. Numa avaliação rápida, Bolsonaro vai ficando acuado e a realidade, batendo a porta.

Comentários

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Candidatura de Bruno Lamas é teste de popularidade do Governo nas eleições 2020

Os resultados das eleições de novembro, na Serra, podem ser a resposta do povo às ações do Governo do Estado durante a pandemia do...

Políticos capixabas lamentam marca dos 100 mil mortos por coronavírus no Brasil

Políticos de todo o país manifestaram preocupação com o avanço do número de mortos em decorrência da Covid-19. O governador Renato Casagrande (PSB) usou...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!