23.9 C
Serra
quarta-feira, 03 de junho de 2020

“O plano A é chapa completa de vereador e ter candidato a prefeito”

Leia também

Movimento Negro quer Lockdown com urgência no ES

Em carta aberta, representantes do Movimento Negro do ES pedem ao Governo do ES medidas para minimizar os efeitos...

Lojistas de Laranjeiras marcam novo ato por reabertura total do comércio

Um grupo de lojistas de Laranjeiras promete fazer na manhã desta quarta-feira (03), mais um ato pela abertura total...

Assaltos a mão armada em Chácara Parreiral assusta moradores

  Moradores de Chácara Parreiral reclamam da quantidade de assaltos que tem acontecido no bairro. Segundo eles, roubos e assaltos a...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é o editor de política do Tempo Novo. Além de sua área, o jornalista, escreve para outras editorias do portal.

O partido tem pouco mais de 30 filiados, mas a meta é atingir 150 para inaugurar um diretório municipal e chegar organizado em 2020. Foto: Redação TN

“Cidadãos indignados com o baixo nível da política e convictos de que só reclamar não seria suficiente para mudar as coisas”. É assim que integrantes do Partido Novo da Serra se definem. Com planos arrojados, eles querem eleger vereadores e lançar até candidato a prefeito, mas ao mesmo tempo estão numa verdadeira corrida contra o relógio a fim de atingir a meta de 150 “filiados ativos” para inaugurar um diretório municipal e chegar organizados em 2020.

Aliás, essa é uma das várias novidades que o partido traz: para ser um filiado ativo, é necessária uma contribuição mensal. O valor? Exatos R$ 29,80. “Menos de R$ 30 para mudar o Brasil?! É um valor simbólico”, exclama Wesley Viera, um dos entrevistados e o jovem responsável pelo nascedouro do partido na Serra. Além disso, ele argumenta que o Novo veta o uso de dinheiro dos fundos partidário e eleitoral. “Dinheiro dos nossos impostos não é para financiar campanha”, defende Wesley.

Já o mantra partidário é claro, trata-se de um coletivo de pessoas que essencialmente defendem o livre mercado. Mas quando o assunto é a pauta de costumes, tais como aborto, casamento gay ou legalização da maconha, seus integrantes se mostram conservadores. “O partido não tem esse perfil”, defende Wilson Zon, empresário da Serra e representante da ala mais experiente do Novo.

Sobre a Serra, eles defendem um plano de investimentos regionalizado, especialmente em torno dos polos comerciais para fomentar o mercado interno do município e capacitar a mão de obra local conectada com a demanda do setor produtivo para “devolver” à Serra emprego e renda.

(TN) O nome do partido é autoexplicativo. Mas objetivamente, o que diferencia o Novo das demais siglas que justifique esse nome?

(Wesley Vieira) Todo filiado tem que estar de acordo com a Lei da Ficha Limpa. Só isso já dá uma limpa nessa sujeirada da política. Outra coisa é a fidelidade ao mandato. Nosso estatuto amarra esse tema, o cara não pode ficar pulando de eleição de dois em dois anos. Para se filiar ao partido é necessária uma contribuição mensal de R$ 29.80. Menos de R$ 30 para mudar o Brasil. Muito pouco, é um valor simbólico; mas é preciso, uma vez que o Novo não aceita receber dinheiro público do Fundo Partidário e Eleitoral. Dinheiro dos nossos impostos não é para financiar campanha de partido nenhum.

Tem transparência sobre o uso desse dinheiro? Vocês sabem em que ele está sendo empregado?

Totalmente. Após a filiação, a pessoa tem acesso ao Espaço Novo, onde há uma prestação de contas aberta a qualquer filiado e é possível ter acesso a todo recurso aplicado. Mas voltando à pergunta sobre as novidades, tem também a obrigação dos nossos mandatários de reduzir despesas com cargos comissionados, custeio e diárias. Por exemplo, cada um dos nossos oito deputados federais reduziram de 25 para sete assessores. Posso citar também o processo seletivo interno para a escola dos candidatos; levamos em conta critérios como a capacidade profissional, o histórico, desenvoltura na abordagem, seu alinhamento ideológico com o partido, entre outros.

Todo partido têm seus mantras. Quais são os temas mais caros ao Novo?

Somos cidadãos indignados com o baixo nível da política e convictos de que só reclamar não seria suficiente para mudar as coisas. Nosso principal foco é o livre mercado. É um partido que entende claramente que a economia tem que ter liberdade para desenvolver. O mercado é o gerador de emprego e renda, e hoje a burocracia é muito grande em todas as esferas de poder. Defendemos o Estado mínimo e privatizações. O Estado precisa estar focado apenas em Saúde, Educação, Segurança e Assistência Social.

(TN) Essa forma de pensar é restrita à agenda econômica ou também vale quando o assunto é a temática de costumes? Tais como aborto, casamento gay ou legalização da maconha, só para citar alguns…

(Wilson Zon) Pego uma fala do Amoedo em uma entrevista ao Roda Viva: É um partido liberal na economia e conservador nos costumes. Porque de fato tem coisas que a gente não pode querer alçar; o partido não tem esse perfil. A questão do aborto não é algo que a gente possa trata com tanta liberdade; os costumes têm, com certeza, um grau de conservadorismo. Os líderes do Novo são pessoas que lidam de forma correta dentro do seu ambiente social e familiar. O valor inegociável do Novo é a liberdade com responsabilidade.

Como o partido tem avaliado o governo de Bolsonaro nesses três primeiros meses?

Bolsonaro não tem alinhamento com o pensamento do Partido Novo. Isso é público. Então, se o governo apresentar propostas boas, o Novo vai apoiar. Será pauta a pauta, tema a tema. Estamos fora daquele formato velho e cego de base versus oposição.

Trazendo a conversa para a nossa realidade local, como está o partido na Serra, quantos filiados e quais são as metas a serem batidas?

O Novo na Serra deu largada do mês passado para cá. Passamos dos 30 filiados ativos. A meta é alcançar 150 até o dia 31 de maio para estruturar um diretório municipal. Vitória já conseguiu. Estamos com ações de mobilização nas ruas e na internet. Vamos conseguir alcançar, sem dúvida, e chegar organizados e fortalecidos para a eleição de 2020.

Qual é a agenda do partido para a Serra, levando em consideração as características socioeconômicas do município?

Entendemos a Serra como a maior cidade do Espírito Santo, mas com uma população economicamente de menor renda, que tem suas demandas sociais muito fortes; mas também uma força industrial, empresarial, de comércio e serviços muito pujante. Temos que absorver essa mão de obra local para devolver renda e emprego à população e fazer girar a economia do munícipio. Então, desenvolver um amplo projeto de capacitação conectado com o setor produtivo, fomentar a geração de negócio e o empreendedorismo e levar para dentro dos bairros. A Serra é muito regionalizada; Porto Canoa é um polo; Laranjeiras é polo; Serra sede está buscando ser um polo; Jacaraípe, Novo Horizonte, Carapina são todos polos, temos que investir nas regiões potenciais.

Quais são os planos eleitorais do Novo para a Serra? Vão lançar candidatura a prefeito?

Não é impossível nós construirmos um projeto majoritário, que é candidatura a prefeito. A cidade quer isso, está cansada dos mesmos. Então, o plano A é ter chapa completa de vereador e prefeito. A Serra tem potencial para ser uma das maiores cidades do Brasil, mas precisa sair da mesmice.

 

Comentários

Mais notícias

Lojistas de Laranjeiras marcam novo ato por reabertura total do comércio

Um grupo de lojistas de Laranjeiras promete fazer na manhã desta quarta-feira (03), mais um ato pela abertura total do comércio. Um dos articuladores da...

Assaltos a mão armada em Chácara Parreiral assusta moradores

  Moradores de Chácara Parreiral reclamam da quantidade de assaltos que tem acontecido no bairro. Segundo eles, roubos e assaltos a mão armada tem acontecido com...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!