28.7 C
Serra
sábado, 22 janeiro - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Mulher tem direito a indenização por violência doméstica

Leia também

Serra terá dois novos pontos de testagem de Covid-19 | Confira

Diante do crescente número de casos positivos de Covid-19 registrados nos últimos dias, a procura por testes aumentou e...

Avanço explosivo da Ômicron adoece 1.550 pessoas na Serra em 24h

A circulação da variante Ômicron em território capixaba tem causado um aumento explosivo de novos casos da Covid-19 na...

Serra volta para risco moderado e pode sofrer restrições devido ao avanço da Covid-19

Devido ao aumento de casos de coronavírus e mortes causadas por complicações da Covid-19, a Serra voltou a ser...
Cristiane Puppimhttps://www.portaltemponovo.com.br
A autora é Advogada especialista em Direito Civil, com ênfase em direito imobiliário e condominial.

A informação de que a mulher que sofre de violência doméstica e familiar tem o direito à proteção estatal através de diversas medidas protetivas já é de conhecimento geral e bastante difundido, mas, para além disto, a mulher também tem direito a requer indenização civil pela agressão.

A 4ª câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), recentemente, condenou um homem a indenizar em seis mil reais, por danos morais, a ex-companheira a quem agrediu na presença do filho. Para o desembargador relator, não restaram dúvidas quanto às agressões cometidas pelo réu e o impacto que estas acabaram causando, merecendo, por isto, a indenização que tem caráter preventivo e didático, visando a condenação e a repreensão por um ato evidentemente abominável.

Quando a mulher for agredida, ela deve fazer um Boletim de Ocorrência, preferencialmente na Delegacia da Mulher, onde ela tem, inclusive, o direito de ser atendida por outra mulher, conforme o disposto no artigo 10-A da Lei Maria da Penha.

Art. 10-A. É direito da mulher em situação de violência doméstica e familiar o atendimento policial e pericial especializado, ininterrupto e prestado por servidores – preferencialmente do sexo feminino – previamente capacitados. (Incluído pela Lei nº 13.505, de 2017).

 O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a violência doméstica sofrida pela mulher, gera direito à indenização por dano moral, independentemente de instrução probatória específica sobre a ocorrência do dano moral, por se tratar de dano presumido. Assim, provada a violência doméstica, o dano moral é considerado presente.

A tese foi fixada pela Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recursos especiais repetitivos (Tema 983), que discutiam a possibilidade da reparação de natureza cível por meio de sentença condenatória nos casos de violência doméstica. A decisão foi tomada de forma unânime, passando a orientar os tribunais de todo o país no julgamento de casos semelhantes.

Cristiane Puppimhttps://www.portaltemponovo.com.br
A autora é Advogada especialista em Direito Civil, com ênfase em direito imobiliário e condominial.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!