• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 68.100 casos
  • 1.417 mortes
  • 66.111 curados
23.7 C
Serra
sexta-feira, 23 julho - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 68.100 casos
  • 1.417 mortes
  • 66.111 curados

Leia ‘O Nó da Gravata’ desta semana

Leia também

Supermercado Casagrande multado em R$ 83 mil por fazer loja sem licença em Jacaraípe

A nova loja do supermercado Casagrande em Jacaraípe, prevista para ser inaugurada na semana que vem, foi multada em...

Estudo inglês demonstra que segunda dose de vacinas é essencial contra a variante delta

Mais um estudo demonstra a necessidade da segunda dose da vacina contra a Covid para que a proteção seja...

Gleisi Hoffman vem ao Estado para contribuir na formação de uma frente pró-Lula

  Com o avanço da popularidade de Lula no Espírito Santo e retomada do ex-presidente na preferência dos eleitores capixabas,...
Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Ex-prefeito da Serra, o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) continua respondendo por suas gestões à frente do Executivo municipal. O pedetista está sendo alvo de uma ação por improbidade administrativa. Em setembro, a Vara da Fazenda Pública da Serra acatou uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Espírito Santo e que reporta a ações de 2010.

Segundo dados do processo, foram identificados indícios de fraudes em contratos para prestação de serviços de saúde pública do Município. As atividades supostamente ilícitas podem ter resultado em prejuízos de R$ 6,5 milhões aos cofres públicos. O MP alerta que não havia necessidade de contratação de uma empresa particular nos moldes realizados pela administração à época.

Vale lembrar que essa ação tramitava em instância especial; mas com o fim do foro privilegiado, a ação passou a tramitar no estado.

A assessoria de Sérgio Vidigal orientou a reportagem a procurar a defesa do deputado.

Segundo o advogado de Vidigal, Altamiro Thadeu, as contratações se justificam porque havia motivos relevantes para que fossem feitos os convênios. Relatou, ainda, que não existem evidências de desperdício. Além disso, ele argumentou que cada secretário seria responsável pelos atos de cada pasta e que atuaram com base em posicionamentos técnicos e jurídicos.

“Não existe ato de improbidade. Vidigal sequer era ordenador de despesas. Não há narrativa de ação ou omissão praticada por Vidigal que possa ser considerada como improbidade administrativa”.

Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!