• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 57.848 casos
  • 1.210 mortes
  • 55.783 curados
23.3 C
Serra
quarta-feira, 12 maio - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 57.848 casos
  • 1.210 mortes
  • 55.783 curados

Greve dos motoristas de caminhão de lixo é suspensa, diz Sindicato das Empresas

Leia também

Em 24h, Serra perde mais 9 moradores para o coronavírus e registra 322 novos infectados

A Serra atingiu, no final da tarde desta quarta-feira (12), a triste marca de 1.210 moradores que morreram por...

Prefeitura da Serra abre 3.500 vagas para vacinação contra gripe nesta quarta

A Prefeitura da Serra, através da Secretaria Municipal de Saúde (Sesa), vai abrir 3.500 novas vagas de vacinação contra...

Parceria entre Prefeitura e Sebrae quer capacitar lideranças e contribuir para o turismo da Serra

Fortalecer municípios que possuem pontos turísticos no Espírito Santo. Esta é a intenção da parceria que o Sebrae está...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Condomínios de diversos bairros sofrem com a falta de coleta. Foto: Ana Paula Bonelli

A greve dos motoristas de caminhão de lixo está suspensa. A informação é do Sindicato das Empresas de Limpeza Pública do Espírito Santo (Selures).

O Selures divulgou um comunicado na tarde desta quarta (2), onde informa que que o Sindirodoviários suspendeu o movimento paredista.  “O Selures entende que esta foi uma decisão acertada para não causar mais prejuízos à ordem pública e aos cidadãos. Neste momento, reforça junto à população que as empresas de limpeza pública não irão medir esforços para regularizar os serviços, na maior brevidade possível, com qualidade e eficiência”.

A greve dos motoristas teve início no dia 12 de novembro e se estendeu até hoje (2), gerando inúmeros transtornos para as 28 cidades em que a greve foi realizada. Na Serra, moradores denunciam que os bairros estão um verdadeiro lixão a céu aberto.

Vale lembrar que na última segunda (30), uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 17ª Região disse que o Sindirodoviários (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Espírito Santo) terá que pagar uma multa de R$ 5 mil por dia: multa a ser computada a partir do dia 12 de novembro – data em que a paralisação teve início, o que dá um montante de R$ 95 mil até hoje (30).

O entendimento do TRT é que o sindicato está desafiando a autoridade legítima do Judiciário, e a um só tempo desrespeitando o estado de governo, e em momento de emergência global pela Pandemia do Covid-19.

A paralisação dos serviços teve início no dia 12 de novembro e segue até o presente momento. O reflexo está sendo sentido nas ruas da cidade que estão repletas de lixo por todo o lado.

A ordem judicial expedida, diz que embora o Sindirodoviários negue a acusação e reafirme que a ordem de manutenção de 70% da atividade de coleta de lixo urbano nas cidades e regiões do Estado do ES abrangidas pela greve vem sendo cumprida, o mesmo sindicato coloca como serviço em suas justificativas que “a atividade de limpeza urbana não se resume na coleta de lixo, pois outros modais estão aí inseridos, tais como a varrição, poda, jardinagem, desentupimento, coleta de resíduos hospitalares, resíduos sólidos, entre outros.”.

O Tribunal entendeu com esta afirmação “que não restam dúvidas de que os dirigentes sindicais, por seu representante legal, confessam o descumprimento da ordem, porque incluem na sua ‘contabilidade’, serviços e atividades estranhos à sua representação, pois varrição/coleta de resíduos sólidos não veicular, jardinagem, e desentupimento, não estão afetos à categoria do Sindirodoviários e portanto, à outorga legal do § 3º do Art. 511, da CLT.

Assim, ante a manifesta confissão de descumprimento da ordem judicial”, diz a decisão que pode ser conferida na íntegra no final da matéria.

O TRT reiterou ainda que foram feitas três tentativas de conciliação e que em nenhuma delas o sindicato mostrou o quantitativo dos veículos que representasse a expressão do percentual de 70% imposto para o cumprimento do serviço essencial.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!