• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 68.100 casos
  • 1.417 mortes
  • 66.111 curados
23.7 C
Serra
sexta-feira, 23 julho - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 68.100 casos
  • 1.417 mortes
  • 66.111 curados

Filho adotivo também é para sempre!

Leia também

Supermercado Casagrande multado em R$ 83 mil por fazer loja sem licença em Jacaraípe

A nova loja do supermercado Casagrande em Jacaraípe, prevista para ser inaugurada na semana que vem, foi multada em...

Estudo inglês demonstra que segunda dose de vacinas é essencial contra a variante delta

Mais um estudo demonstra a necessidade da segunda dose da vacina contra a Covid para que a proteção seja...

Gleisi Hoffman vem ao Estado para contribuir na formação de uma frente pró-Lula

  Com o avanço da popularidade de Lula no Espírito Santo e retomada do ex-presidente na preferência dos eleitores capixabas,...
Cristiane Puppimhttps://www.portaltemponovo.com.br
A autora é Advogada especialista em Direito Civil, com ênfase em direito imobiliário e condominial.

Em recente decisão, a 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo negou pedido de um homem que tentou reverter à adoção por razão socioafetiva da filha de sua ex-esposa.

A adoção socioafetiva é prevista no artigo 1.593 do Código Civil “O parentesco é natural ou civil, conforme resulte de consanguinidade ou outra origem” Sendo o parentesco socioafetivo abarcado pela expressão “outra origem”.

O autor da ação, que tinha tido sua demanda atendida em primeira instância, conheceu sua “filha” quando ficou noivo de sua agora ex-esposa, e com o termino do relacionamento, alegou que só adotou a menina porque queria “agradar” sua então amada.

Em decisão acertada, a 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo reformou a decisão de primeira instância, alegando que mero arrependimento não é suficiente para anular uma paternidade socioafetiva (relação de pai, ou mãe, e filho, sem que haja vínculo sanguíneo). O autor da ação havia feito o reconhecimento de paternidade socioafetiva da filha de sua ex-esposa, dando, inclusive, seu sobrenome para a menina.

Após cinco meses de casamento e uma separação litigiosa, o autor alegou arrependimento quanto ao reconhecimento de paternidade pedindo anulação do ato e a exclusão do seu sobrenome do registro de nascimento da ex-enteada.

O relator do recurso, Desembargador Mathias Coltro, se manifestou informando que o Código Civil (CC) tem o reconhecimento de paternidade como irrevogável, não sendo mero arrependimento motivo válido para revogar a adoção. Sem que seja demonstrado algum vício sobre a manifestação da vontade, fraude ou simulação, não é possível reverter ou anular a adoção.

Cristiane Puppimhttps://www.portaltemponovo.com.br
A autora é Advogada especialista em Direito Civil, com ênfase em direito imobiliário e condominial.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!