22.3 C
Serra
segunda-feira, 03 de agosto de 2020

Eleições 2020: Na Serra, Fernanda é Lula e Lula é Fernanda

Leia também

Opinião: Mulheres na política em busca de representatividade

ARTIGO DE OPINIÃO DE AUTORIA DE ALEXSANDRA VERTUANI A luta pelos direitos das mulheres vem progredindo não só no Brasil,...

Bruno Lamas afasta dúvidas e garante que vai disputar a Prefeitura da Serra

O deputado estadual Bruno Lamas (PSB) garantiu que a sua decisão de disputar a Prefeitura da Serra no próximo...

Vale promove testagem em massa no Pará, porque não fazer na Grande Vitória também?

Uma ação da Vale realizada na cidade de Parauapebas, no sudeste do Pará, está entre as iniciativas sociais mais...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é o editor de política do Tempo Novo. Além de sua área, o jornalista, escreve para outras editorias do portal.

Era setembro de 2018, o ex-presidente Lula estava preso, condenado pelo ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. O PT tinha o objetivo de lançar um candidato próprio e fazer frente a onda bolsonarista que se agigantava. Eis que naquele momento, o Partido dos Trabalhadores chegava a uma decisão final: Fernando Haddad para presidente.

Nacionalmente, Haddad era um pouco conhecido ex-prefeito de São Paulo, que em poucos dias saiu do semianonimato para o topo das pesquisas de intenção de votos – ao lado de Jair Bolsonaro, que naquele momento era o fenômeno das redes sociais. Para isso, Haddad, ou ‘Andrade’, como era confundido, se banhou nas bençãos do ex-presidente e assumiu o espólio lulista – que talvez seja até maior do que o próprio petismo.

Haddad não levou, mas serviu para demonstrar que apesar do sentimento anti-Lula, o ex-presidente segue sendo um cabo eleitoral promissor. Na Serra, o ‘Andrade’ abocanhou 26% dos votos no primeiro turno, perdendo apenas para Bolsonaro que atingiu 50%. No segundo turno, Lula/Haddad colocaram 42% para dentro da urna e Bolsonaro 58%.

Agora em 2020, o PT da Serra estima que pode criar outro fenômeno de votos ancorados em Lula – que dessa vez está solto e disposto a cair para dentro das campanhas petistas. Se antes era Fernando Haddad, agora é Fernanda Souza a bola da vez do PT da Serra. Filiada ao partido desde os 14 anos, Fernanda militou em movimentos sociais e sindicais; já foi secretária municipal de Trabalho Emprego e Renda na gestão passada do Prefeito Audifax Barcelos; além de ter sido professora durante 11 anos em uma popular faculdade capixaba.

Fernanda não é nenhuma desconhecida no município, mas proporcionalmente, pode-se dizer que ela está para a Serra, assim como Haddad estava para o Brasil. Afinal, estamos falando de uma cidade de meio milhão de habitantes (em número de moradores, é a 21° maior cidade brasileira excluindo as capitais).

Mas se Fernando chegou lá, porque Fernanda não pode? É o que se perguntam petistas entusiastas da campanha na Serra. O partido aposta no processo de nacionalização da eleição local, dado o aprofundamento das polarizações especialmente potencializadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

Petistas, inclusive a própria Fernanda Souza afirmam que Lula estará na Serra, andará pelas ruas da cidade, fará vídeos e material conjunto. O PT quer surfar no anti-bolsonarismo e quer protagonizar o movimento “anti-fascista”, nas palavras deles.

Além disso, o partido quer apresentar um plano de governo para a pós pandemia. Fernanda já adiantou que Saúde e Assistência Social terão maior peso no bojo da proposta.

Petistas dizem, que se o processo eleitoral nacionalizar com força, até para o segundo turno eles podem ir e o passaporte é o Lula. Parte da aposta está nos votos da juventude: ‘alguns jovens não sabiam o que era um Governo sem o PT, depois do Temer e Bolsonaro, eles viram as diferenças’, defende Fernanda.

Além dos jovens, está no roteiro os professores, o meio cultural, os movimentos negros, sindicais, sociais, LGBTQ+, os anti-bolsonaristas, entre outros. Na prática, Fernanda é Lula, e Lula é Fernanda. E se isso descer para o grosso da população, o PT pode surpreender. Até porque, vale lembrar que o partido tem grandes fatias dos fundos eleitorais e partidários, se a nacional mandar e a estadual acatar, pode injetar recursos e dar estrutura de campanha robusta.

Sabe-se que nos bastidores, o ex-prefeito Sérgio Vidigal (PDT) trabalha a todo momento para tirar todas as candidaturas possíveis, para se valer da sua quilometragem na Serra e vencer a eleição. Por isso, há um risco circundando o PT da Serra, já que existem arranjos em curso envolvendo Vitória. Vidigal costuma gostar só do bônus das coisas, e trazer o PT para seu palanque implica em assumir também os ônus, por isso essa conta é difícil de fechar. Além disso, Vidigal votou a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, coisa que até hoje não desce para muitos petistas.

Para o PT da Serra, a campanha de Fernanda é irreversível, e ela será a antítese ao bolsonarismo na Serra, posição que a princípio, nenhum outro pré candidato parece estar disposto a fazer. Enfim, é jogo que segue na eleição para prefeito da maior cidade do Espírito Santo.

Comentários

Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é o editor de política do Tempo Novo. Além de sua área, o jornalista, escreve para outras editorias do portal.

Mais notícias

Bruno Lamas afasta dúvidas e garante que vai disputar a Prefeitura da Serra

O deputado estadual Bruno Lamas (PSB) garantiu que a sua decisão de disputar a Prefeitura da Serra no próximo dia 15 de novembro não...

Vale promove testagem em massa no Pará, porque não fazer na Grande Vitória também?

Uma ação da Vale realizada na cidade de Parauapebas, no sudeste do Pará, está entre as iniciativas sociais mais bem sucedidas na luta contra...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!