28.7 C
Serra
sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Covid é mais mortal na periferia da Serra  

Leia também

Aos 32 anos, ativista e microempreendedor Thiago Carreiro é escolhido para vice de Sérgio Vidigal

Aos 32 anos, o empresário e ativista Thiago Carreiro foi confirmado como o vice da chapa encabeçada pelo deputado...

Volta às aulas facultativa | Pais podem optar se irão mandar filhos para escola

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, concedeu na manhã desta sexta-feira (18) ao lado do secretário de...

Contarato acusa Governo Bolsonaro de omissão no combate às queimadas no Pantanal e cobra ações

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) entrou com uma representação na Procuradoria Geral da República pedindo que sejam adotadas...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

O epicentro da epidemia do novo coronavírus surgiu num mercado popular de carnes – incluindo de animais silvestres – na cidade de Wuhan na China. Mas foi através das pessoas mais abastadas, que podem viajar a trabalho ou a passeio em aviões, que a doença se espalhou e virou pandemia.

No ES e na Serra a covid-19 foi detectada primeiro nos bairros de classe média. Agora, já se espalhou para a periferia. E nela é mais letal, evidenciando de forma cruel como a desigualdade social impõe não só uma qualidade de vida inferior, mas também uma existência mais curta para os pobres.

Líder das mortes no ES com 82 dos 302 e dois óbitos no ES até 17 de maio, a Serra é exemplo de como a desigualdade social se faz explícita no ranking das vítimas fatais da covid-19. Os bairros de classe média Colina, Morada, Parque Residencial Laranjeiras, Valparaíso e Manguinhos tinham 238 casos da doença confirmados, que resultaram em 09 mortes.

Na outra ponta da estratificação social, os bairros Vila Nova, Feu Rosa, Jardim Tropical, José de Anchieta e Bairro das Laranjeiras somavam 196 pacientes que testaram positivo. Mas, neste caso, a letalidade foi bem maior: 24 mortos.

Os dados são do painel da covid-19, publicado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Nos bairros pobres as residências são mais apertadas e cheias. O isolamento social é mais difícil de fazer. A alimentação é mais precária assim como o acesso a saúde, fruto de vidas com poucos recursos econômicos e que, muitas vezes, obtêm suas parcas rendas em trabalhos insalubres. Nesses bairros a infraestrutura urbana também é inferior e não é incomum esgoto a céu aberto, por exemplo, vetor de diversos problemas de saúde.

É fato que a pandemia está também está impactando os ricos e a classe média. No entanto os pobres e miseráveis precisam ainda mais de ajuda, antes da deflagração da covid-19 eles já eram 100 mil entre o meio milhão de moradores da Serra, conforme dados da Prefeitura. Número que deve disparar.

Agora, torna-se ainda mais fundamental a ampliação da rede pública de assistência social e saúde. Este é desafio imenso para o último ato da gestão Audifax Barcelos (Rede) e para o mandatário que o sucederá, pois a crise há de ser longa e a arrecadação do município já recua forte. Isso num momento em que a política de proteção social no Brasil passa por desmonte sob a batuta de um governo errático que flerta com crise institucional sem precedentes desde a redemocratização.

Bons sinais locais foram dados nos últimos anos, com a construção da UPA de Castelândia e do Hospital Materno Infantil, além do uso de recursos próprios da Prefeitura ante a ausência de repasses federais para programas de assistência social. O próximo prefeito terá que ser alguém hábil para manter contas equilibradas, sustentar o status de cidade atraente para investimentos, ser criativo para estimular novos caminhos para geração de trabalho e renda, mas sem descuidar da enorme demanda social já posta e que tende a se ampliar.

O sucesso da próxima gestão também dependerá de melhora do cenário nacional e internacional, o que por hora não se vê no horizonte.

Comentários

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Mais notícias

Volta às aulas facultativa | Pais podem optar se irão mandar filhos para escola

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, concedeu na manhã desta sexta-feira (18) ao lado do secretário de Estado de Educação, Vitor De...

Contarato acusa Governo Bolsonaro de omissão no combate às queimadas no Pantanal e cobra ações

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) entrou com uma representação na Procuradoria Geral da República pedindo que sejam adotadas medidas judiciais e extrajudiciais imediatas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!