26.6 C
Serra
domingo, 26 de janeiro de 2020

Com a Intervenção no Rio, coronel diz que Serra terá atenção especial

Leia também

Câmara da Serra pode ganhar mais um vereador

Nova decisão da Justiça vai promover alterações na Câmara da Serra. O juiz substituto Leonardo Mannarino Teixeira Lopes, da...

PRTB elege nova diretoria e promete candidatura majoritária na Serra

Atentas ao calendário eleitoral 2020, lideranças do PRTB capixaba estão promovendo mudanças nos comandos da legenda em diversos município...

Chuvas | Serra antecipa limpeza de bueiros e valas

Áreas de instabilidade se intensificaram sobre o mar e avançaram para o Espírito Santo espalhando nuvens carregadas sobre algumas...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Comandante da PM, Coronel Nylton Rodrigues e o secretário de Segurança André Garcia: plano contra migração de criminosos. Foto: Divulgação Pedro Dutra / Secom-ES

Conceição Nascimento / Yuri Scardini

A intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro vem preocupando capixabas. Apesar de dizer que não acredita em grandes impactos no Espírito Santo, essa semana, o Governo do Estado anunciou medidas para conter possíveis migrações de bandidos e aumento da atividade criminosa em território capixaba. Além disso, segundo o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Nylton Rodrigues, durante esse processo de intervenção, a Serra vai merecer “atenção especial” por parte do Governo.

Como a Serra é uma cidade muito visada por criminosos, Nylton confirmou que o município receberá mais atenção do poder público e disse que haverá aumento de efetivo policial.

“Serra merece uma atenção especial sim. Abrimos curso de formação da Polícia Militar agora, e Serra tem que ser o município que vai receber mais efetivo. Acreditamos que não vai ocorrer migração, mas se ocorrer qualquer deslocamento não tem como saber se vai para a Serra”, finalizou. 

O Secretário Estadual de Segurança Pública, André Garcia, explica que deu início nesta quinta-feira (22) o plano de contingência para o monitoramento das regiões de fronteira. “Vamos monitorar 198 km de fronteiras com o Rio e Minas, com reforço de efetivo das Polícias Militar e Civil, emprego de recursos como helicópteros, viaturas e drones”. Garcia acrescenta ainda que não há nenhum indício de fuga de bandidos para o ES e que essas ações são preventivas.

O mesmo afirmou o comandante-geral da Polícia Militar do Espírito Santo, coronel Nylton Rodrigues. “Essa é a nossa leitura, já tivemos outras intervenções no Rio de Janeiro e nunca foi registrado nenhum reflexo em nosso Estado, como migração de bandidos. Estamos monitorando todo o Sul do Estado, atentos a alugueis de imóveis”, adiantou.

Perguntado se o ES poderia se tornar uma rota mais sedutora para o tráfico internacional de drogas e armas, Rodrigues confirma, mas disse que haverá prevenção. “Esse é um dos objetivos do nosso plano, é justamente inibir a possibilidade de o ES se tornar essa rota. Consideramos essa possibilidade e prevenimos dessa forma com o plano de contingência” disse.

Nylton descarta a possibilidade da intervenção se estender ao ES, ele justificou que o “estado está organizado, com contas organizadas, salários em dia, polícias equipadas e na expectativa de uma possível reposição salarial”.

 “Marola ou Tsunami”

Apesar do Governo do Estado não acreditar em migração de bandidos do Rio para o ES, o Ministro da Justiça Torquato Jardim, em entrevista ao jornal Correio Braziliense publicada na última terça-feira (20), o ministro disse que provavelmente os Estados que fazem divisa com o Rio sofrerão o impacto da intervenção federal. “Temos de ver se vai ser marola ou tsunami. Alguma coisa vai acontecer, temos que ser realistas”, afirmou. E completou: “Quanto mais eficaz a ação no Rio de Janeiro, a marola vai crescer. O nosso trabalho é não deixar virar tempestade, jamais um tsunami”, declarou o ministro ao Correio.

Enquete: 81% temem  vinda de criminosos
Nessa semana o Jornal Tempo Novo publicou uma enquete no Facebook, com a pergunta “Com a intervenção federal no Rio de Janeiro, você acredita na possibilidade de fuga de criminosos para o ES?”. Até a manhã da ultima quinta-feira (22), foram contabilizados 114 votos, dos quais 81% dos leitores internautas optaram pelo “sim”.

Deputados são favoráveis ao decreto, mas preocupados com desdobramentos

Por 340 votos a favor e 72 contrários, nesta semana a Câmara aprovou o decreto do presidente Michel Temer (MDB) que consolidou a intervenção federal no Rio de Janeiro. A bancada capixaba contribuiu com 7 votos, apenas os dois deputados do PT, Givaldo Viera e Helder Salomão votaram contra.

O deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) que apesar de votar favorável a medida, faz críticas ao formato adotado. “A corrupção no Rio é endêmica, e o que falta é autoridade por parte do poder público para enfrentar a criminalidade, porque o poder público faz parte dela. Deveria ter uma intervenção no Governo como um todo”, disse.

Vidigal diz ainda que não acredita em ruptura institucional e acusa que a medida tem fundo midiático. “É para mudar o foco da Reforma da Previdência”.

Sobre os impactos no ES, o ex-prefeito da Serra se disse preocupado. “O Brasil é maior rota de tráfico de drogas do mundo e o ES faz parte dessa rota. A maior causa da violência na Serra é a droga. Com uma possível migração de criminosos, a Região Metropolitana seria impactada, talvez mais a Serra, até pelos números que tem hoje”, apontou,

O deputado federal Carlos Manato (SD) avalia a intervenção como necessária mas questiona a falta de segurança jurídica para atuação do Exercito. “A preocupação é que não tem segurança jurídica, nem poder de polícia. Isso torna o Exército frágil. Não há risco de ruptura institucional, foi aprovado na Câmara e no Senado. Em relação ao Estado, as divisas têm que ser controladas. Colocar mais policiais. O Estado já tem rota para o tráfico, pode intensificar”, disse. 

Já o deputado federal Givaldo Vieira (PT) votou contra a intervenção, avalia que é uma atitude equivocada e afirma que e fala sobre golpe militar.

“O Rio sofre muito com a violência, mas não é exclusivamente o Rio; o próprio Espírito Santo viveu uma situação difícil com a crise provocada pelo Governo de Paulo Hartung em relação às forças de segurança. Então é equivocada. Vivemos uma instabilidade política, grave crise institucional e já se especula o golpe militar. A sociedade tem que ficar vigilante para não ser surpreendida com uma medida ainda mais autoritária”, dispara.

 

Comentários

Mais notícias

PRTB elege nova diretoria e promete candidatura majoritária na Serra

Atentas ao calendário eleitoral 2020, lideranças do PRTB capixaba estão promovendo mudanças nos comandos da legenda em diversos município capixabas. E as alterações se...

Chuvas | Serra antecipa limpeza de bueiros e valas

Áreas de instabilidade se intensificaram sobre o mar e avançaram para o Espírito Santo espalhando nuvens carregadas sobre algumas regiões do estado próximas do...

Cinquenta voluntários da Serra vão ajudar na limpeza de Iconha

Muitas doações de produtos de limpeza, alimentos e roupas estão chegando ao município de Iconha, devastado por chuvas que atingiram o sul do Espírito...

Morador pede bueiros em ruas de Portal de Jacaraípe – Confira no ‘Pronto, Flagrei’

Morador do bairro Portal de Jacaraípe, Cleiton Luiz, reclama da ausência de bueiros em diversas ruas da comunidade. Segundo ele, basta chover um pouco mais...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem