23.7 C
Serra
sábado, 16 outubro - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Casagrande diz que paralisação dos caminhoneiros vai agravar pobreza e aumentar inflação

Leia também

Câmara da Serra lança campanha para arrecadar e distribuir absorventes íntimos

A discussão sobre pobreza menstrual mobilizou a Mesa Diretora da Câmara da Serra. O presidente da Casa, vereador Rodrigo...

Serrana consegue anular dívida de R$ 14 mil após procurar ajuda no Procon-Ales

Com base na Lei 11.353, de autoria do deputado Vandinho Leite, que diz que moradores atuais das residências não...

Vidigal anuncia programa para castração e recolhimento de cães e gatos no município

O prefeito da Serra, Sérgio Vidigal, anunciou na tarde desta sexta-feira (15) que está criando, por meio da secretaria...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

Governador Renato Casagrande (PSB) se manifestou sobre a manifestação da categoriaFoto: Divulgação

A paralisação de milhares de caminhoneiros pelas rodovias federais, inclusive no Espírito Santo, já está causando impactos por todo o Brasil. No momento, o risco de desabastecimento de postos de gasolina é o principal agravamento, mas também há preocupação com uma possível falta de alimentos. Por conta disso, o governador Renato Casagrande (PSB) se manifestou sobre a manifestação da categoria e disse que isso pode causar ainda mais empobrecimento das pessoas.

A afirmação foi concedida pelo governador durante entrevista ao Jornal Tempo Novo. De acordo com ele, é normal que o presidente Jair Bolsonaro apoie o movimento, já que é favorável ao seu governo. Entretanto, ele afirma que o chefe do Executivo precisa, neste momento, intervir nas manifestações para evitar o aumento da inflação e o agravamento da pobreza.

“É preciso que o governo Federal, que apoiou muito os atos em favor do seu governo –  o que é natural que tenha apoiado – entre ajudando a resolver este assunto para que não haja desabastecimento, porque isso já está acontecendo e coloca a inflação numa posição de alta e tira mais poder de compra do brasileiro, que já vive uma situação de muita dificuldade. [Isso] agrava o empobrecimento das pessoas”, afirmou.

Casagrande ainda disse que as rodovias estaduais não estão interrompidas. “Vai depender muito da capacidade da Polícia Rodoviária Federal e do governo Federal de resolver este assunto na conversa com os caminhoneiros. A manifestação do dia 7 de setembro tem consequência e a consequência é manter a instabilidade, e a instabilidade leva a este tipo de manifestação”, completou.

Entenda a manifestação

A manifestação dos caminhoneiros tem diversas pautas. Entre elas, as mesmas dos atos do dia 7 de setembro, que foram favoráveis ao governo Bolsonaro e pediam, entre outras coisas, a destituição do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, e o voto auditável. Além disso, a categoria solicita diminuição do preço de combustíveis.

Em uma mensagem de áudio gravada na última quarta-feira (8), o presidente Bolsonaro fez um pedido aos caminhoneiros. “Fala para os caminhoneiros aí que [eles] são nossos aliados, mas esses bloqueios aí atrapalham a nossa economia. Isso provoca desabastecimento, inflação, prejudica todo mundo, em especial os mais pobres. Então, dá um toque nos caras aí, se for possível, para liberar, tá ok? Para a gente seguir a normalidade”, diz Bolsonaro.

Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a editoria de política.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!