27.7 C
Serra
domingo, 29 de março de 2020

Vereadores reagem à licitação de R$ 370 milhões para o lixo

Leia também

“Meu Título de Eleitor permanece em Vitória”, diz Amaro Neto, que vinha sendo cotado para a Prefeitura da Serra

Uma suposta consulta do deputado federal Amaro Neto (Republicanos) ao Cartório Eleitoral da Serra causou alvoroço no mercado politico...

ArcelorMittal vai parar mais um alto-forno em Tubarão

Maior indústria instalada na Serra e 3ª maior planta produtora de aço do Brasil, a ArcelorMittal Tubarão anunciou que...

Espírito Santo tem 7 novos casos de Covid-19

O Espírito  Santo tem sete novos casos do novo coronavirus, segundo da informação divulgada pelo governador Renato Casagrande no...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Empresas vão gerencias R$ 150 mil toneladas de lixo por ano. Foto: Arquivo TN

A Prefeitura da Serra realizou licitação para contratar empresas no serviço de limpeza pública e descarte de lixo na cidade. Ao todo, foram cinco lotes no valor total de R$ 370 milhões em  cinco anos. Saíram vencedoras duas empresas, a Corpus e a Marca Ambiental, que vão gerenciar um total de 150 mil toneladas de lixo por ano.

No entanto, o caso ainda deve gerar polêmica, já que durante a sessão da última quarta-feira (27), alguns parlamentares fizeram duras críticas ao Executivo e afirmaram que devem convocar membros da equipe do prefeito para explicar a possível contratação, pois dizem que o Legislativo não foi consultado.

Um dos críticos foi o vereador Ailton Rodrigues (PSC). “Essa Casa não pode ser omissa. Isso é um crime de responsabilidade fiscal. Precisamos convocar o procurador (Dr. Vitor Silvares) para esclarecer como conseguiu fazer a licitação sem passar pela prévia avaliação da Câmara”, afirmou.

Já o vereador governista Fábio Duarte diz que o serviço atualmente prestado pela EngeUrb não atende aos critérios de qualidade e, por isso, o município teria optado pela contratação de uma nova empresa. “A cidade estava pagando caro por um serviço que não tinha a qualidade que a cidade merece”, disse Fábio Duarte (sem partido).

PPP não saiu do papel

Vale lembrar que, no início do ano, a Prefeitura tinha a intenção de implantar uma parceria público-privada (PPP) na gestão do lixo. Um Termo de Referência chegou a ser elaborado. O valor do contrato foi estimado em R$ 2,5 bilhões em 30 anos.

No entanto, a chamada PPP do Lixo ficou no epicentro de uma disputa política entre o poder Executivo e os vereadores de oposição. Na prática, a Prefeitura queria implantar a parceria por meio de decreto; já a Câmara, por meio de um projeto de lei aprovado em abril, obrigou o Executivo a tramitar a PPP no Legislativo, o que fez a Prefeitura desistir da proposta.

Comentários

Mais notícias

ArcelorMittal vai parar mais um alto-forno em Tubarão

Maior indústria instalada na Serra e 3ª maior planta produtora de aço do Brasil, a ArcelorMittal Tubarão anunciou que vai paralisar o Alto-Forno 03....

Espírito Santo tem 7 novos casos de Covid-19

O Espírito  Santo tem sete novos casos do novo coronavirus, segundo da informação divulgada pelo governador Renato Casagrande no final da tarde deste sábado...

Indústria faz campanha para consumidor priorizar produto capixaba

A Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) lançou esta semana campanha para que o consumidor capixaba compre produtos produzidos no Estado. A campanha diz...

Mais de 43 mil moradores já se vacinaram contra gripe na Serra

Durante a primeira semana da Campanha de Vacinação contra gripe para os grupos prioritários, a Serra já imunizou mais de 43 mil moradores. De...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem