25.3 C
Serra
sábado, 30 de Maio de 2020

Vereador quer instituir “Escola sem Partido” na Serra

Leia também

Servidores da Serra podem realizar perícia médica por meio da internet

Enquanto os serviços seguem limitados em função da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura da Serra está permitindo que...

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Pastor Ailton. Foto: Fábio Barcelos

Tramita na Câmara de Vereadores o Projeto de Lei 272/2017, que deve instituir no sistema municipal de ensino o “Programa Escola sem Partido”, que, em tese, ofereceria um ensino baseado na neutralidade política, ideológica e religiosa do Estado. Na prática, o projeto lista uma série de direitos e deveres do professor em sala de aula; dos pais na educação dos filhos e estabelece regras para a escolha de livros didáticos. 

Segundo o autor do projeto, Pastor Ailton (PSC), “a liberdade de ensinar não confere ao professor o direito de se aproveitar do seu cargo e da audiência cativa dos alunos, para promover os seus próprios interesses, opiniões, concepções ou preferências ideológicas, religiosas, morais, políticas e partidárias”.

O vereador afirma ainda que o professor “não tem o direito de favorecer, prejudicar ou constranger os alunos em razão de suas convicções políticas, ideológicas, morais ou religiosas; nem de desfazer propaganda político-partidária em sala de aula e incitar seus alunos a participarem de manifestações, atos públicos e passeatas; manipular o conteúdo da sua disciplina com o objetivo de obter a adesão dos alunos a determinada corrente política ou ideológica; nem, finalmente, o direito de dizer aos filhos dos outros o que é a verdade em matéria de religião ou moral”.

O parlamentar insinua que os estudantes que se encontram em tal situação estão sendo manipulados e explorados politicamente, o que vai de encontro ao art. 5º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), segundo o qual “nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de exploração”.

Pastor Ailton argumenta que um Estado que se define como laico – e que, portanto, deve manter uma posição de neutralidade em relação a todas as religiões – não pode usar o sistema de ensino para promover uma determinada moralidade, já que a moral é muitas vezes inseparável da religião.

 

 

Comentários

Mais notícias

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando e oferecendo as vagas de...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!