23.2 C
Serra
terça-feira, 22 de setembro de 2020

Vereador cobra secretário sobre contaminação da Vale em praias

Leia também

Quer emprego? Sine da Serra abre 166 novas vagas de trabalho nesta terça

Com oportunidades para diversas profissões, a terça-feira (22) chegou recheada de novas vagas de emprego no Sine da Serra....

Casagrande critica Bolsonaro por “negacionismo” de incêndios no Brasil

Em meio a incêndios que destroem o Pantanal e a Amazônia no Brasil, o governador Renato Casagrande (PSB), criticou,...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

 

A comissão presidida por Fábio Duarte quer que o Secretário Marcos Franco prove que os rejeitos da Vale não chegaram a Serra e não mataram peixes. Foto: Tonico / Divulgação // Jansen Lube

Bruno Lyra

Continua gerando polêmica o lançamento de resíduos com metais pesados que a Vale lançou em Praia Mole, perto do limite entre Vitória e Serra. Na última segunda-feira (08), a Comissão de Vereadores da Serra, criada para fiscalizar as licenças ambientais da Vale e ArcelorMittal, protocolou pedido de explicações ao secretário de Meio Ambiente da cidade, Marcos Franco.

Dias após o descarte da Vale, ocorrido entre 01 e 05 de dezembro do ano passado, Marcos Franco afirmou que os resíduos não tinham atingido a Praia de Carapebus, contrariando as denúncias de moradores e ativistas da região. Marcos também eximiu a mineradora da mortandade de peixes que ocorreu entre Manguinhos e Bicanga, justamente naqueles dias após o descarte.

O que a Comissão de Vereadores cobra são os dados da coleta de amostras, análises e resultados que fundamentam as afirmações do secretário. “Até porque o próprio Instituto Estadual de Meio Ambiente – Iema multou a Vale pelo descarte, informando que o material lançado tem metal pesado. Além disso,fotos feitas por drone mostraram a mancha amarelada no mar em Carapebus, vinda da direção da Praia Mole”, argumenta o presidente da Comissão, e autor do pedido de explicações, o vereador Fábio Duarte (PDT).

Já o secretário de Meio Ambiente da Serra, Marcos Franco, disse na última quinta-feira (11), que ainda não tinha recebido o ofício e por isto não se manifestaria sobre o assunto.

Mineradora não quer pagar multa

Na tarde da última quarta-feira (09) a Vale informou, através de sua assessoria, que entrou com recurso pedindo a anulação da multa de R$ 1,62 milhão aplicada pelo Iema. O órgão estadual disse que a assessoria jurídica do Iema vai analisar o recurso. Se após análise, a decisão for pela manutenção da multa, a empresa ainda pode recorrer do recurso junto ao Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema).

Nos últimos 15 anos a Vale recebeu pelo menos 25 multas aplicadas por Iema, Prefeituras da Serra e Vitória por danos ambientais provocados pelas operações em Tubarão, mas não pagou nenhuma. Mesmo assim a empresa segue sem dificuldade para renovar sua licença.

Inclusive o Iema está renovando a licença de operação da Vale. Para isto o órgão capixaba contratou a Sabesp, órgão ambiental paulista, ao custo de R$ 550 mil, para fazer um estudo sobre a poluição gerada pela Vale. Desse estudo sairá um acordo chamado Termo de Compromisso Ambiental (TCA), que deve ser assinado também pelos Ministérios Públicos Estaduais e Federal.  

 

Comentários

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Casagrande critica Bolsonaro por “negacionismo” de incêndios no Brasil

Em meio a incêndios que destroem o Pantanal e a Amazônia no Brasil, o governador Renato Casagrande (PSB), criticou, nesta segunda-feira (21), o "negacionismo"...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!