21.8 C
Serra
quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Terminal da Vale na zona rural da Serra diversifica operações de carga

Leia também

Serranos participam de seletiva de Vôlei Adaptado em Vitória

Eles têm 50, 60 e até 70 anos, mas, com uma vitalidade de dar inveja em muito marmanjo por...

Ministério público pede perda de mandato e de direitos políticos para Geraldinho Feu Rosa

Vereador de primeiro mandato, Geraldinho pode ter que ficar cinco anos sem disputar as eleições

Erick Musso escreve um ciclo de independência da Assembleia e responsabilidade com o ES

Artigo de Opinião do Jornal Tempo Novo   Em meio a uma articulação para antecipar a eleição da mesa diretora, o...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Três silos gigantes de lona foram instalados em Aroaba, que além do ferro-gusa agora opera com fertilizantes. Foto: Divulgação

Localizado na área rural do município em Aroaba e nas proximidades de onde está sendo implantado o Contorno do Mestre Álvaro, o Terminal Multimodal da Vale diversificou suas operações de carga. Há alguns meses, além do ferro-gusa, o espaço está sendo usado para armazenamento de fertilizantes químicos.

O TEMPO NOVO esteve no Terminal, que fica na estrada de Muribeca, já perto da divisa da Serra com Santa Leopoldina e Cariacica, na tarde da última terça-feira (5), e constatou que foram instalados três grandes silos cobertos por lonas brancas, que armazenam os produtos que chegam no formato granel.

De acordo com funcionários locais e caminhoneiros que falaram com o TN sob a condição de não terem o nome divulgado, são três os tipos de adubos: ureia, KCL (cloreto de potássio) e MAP (fosfato monoamônico). Eles contaram que o material é importado e chega pelo porto de Capuaba, em Vila Velha, sendo levado até Aroaba por caminhões truck e carretas basculantes. Os veículos chegam pela BR 101 e entram na estrada rural de Muribeca, entre a Serra Sede e o posto da PRF.

No Terminal, que é mais conhecido na região como pátio de ferro-gusa da Vale, as substâncias químicas são armazenadas nos silos. Dali, elas são embarcadas no trem – a ferrovia Vitória-Minas passa ao lado da estrutura – e levadas para a região Centro Oeste do país, onde são empregadas como insumo do agronegócio.

Por sua vez, o armazenamento de ferro-gusa continua acontecendo no pátio. De acordo com outro funcionário da Vale, que também topou falar se não tivesse o nome revelado, o ferro-gusa é um produto industrial obtido a partir do processamento de minério de ferro e é matéria-prima para a fabricação do aço.

O ferro-gusa que circula no pátio vem de trem de siderúrgicas de Minas Gerais. É armazenado no pátio de Aroaba e, também por modal ferroviário, levado ao porto de Tubarão para exportação e para atender demanda da ArcelorMittal Tubarão. Nem esse funcionário nem outras pessoas que trabalham em Aroaba ouvidas pela reportagem souberam dizer se também há escoamento de ferro-gusa para outros portos do Espírito Santo. Também não informaram se são usados caminhões para o translado do gusa em terras capixabas.

Naja

As operações no pátio da Vale em Aroaba estão sendo feitas pela empresa Naja Controle e Serviços de Carga. O site da Naja diz que a empresa foi criada por um empreendedor que prestou serviços por 35 anos à Vale e que é especializada na movimentação de carga no Terminal Multimodal de Aroaba.

A reportagem ligou diversas vezes para o telefone disponível no site da Naja, mas mensagem indicava que o telefone não estava apto a receber chamadas. Ontem (7), a equipe do TN foi à sede da empresa num prédio em Jardim Camburi, Vitória. Mas a Naja se mudou de lá e funcionários do condomínio não souberam informar o destino.

Já a Vale, em nota enviada por sua assessoria de imprensa, disse que “não comenta relações comerciais específicas em função de cláusulas de confidencialidade”.

Gargalos ambientais 

A Vale e a Naja estão enfrentando dois gargalos ambientais na região de Aroaba: um é a reclamação de moradores e produtores rurais ao longo da estrada de Muribeca sobre a poeira gerada pelo tráfego de caminhões; o outro é a denúncia desses mesmos moradores sobre o arraste de fertilizantes para córregos da região, que deságua no rio que abastece Serra e Vitória, o Santa Maria.

Comentários

Mais notícias

Ministério público pede perda de mandato e de direitos políticos para Geraldinho Feu Rosa

Vereador de primeiro mandato, Geraldinho pode ter que ficar cinco anos sem disputar as eleições

Erick Musso escreve um ciclo de independência da Assembleia e responsabilidade com o ES

Artigo de Opinião do Jornal Tempo Novo   Em meio a uma articulação para antecipar a eleição da mesa diretora, o presidente da Assembleia Legislativa, Erick...

Rotina: jovem é assaltada na Serra às 4h da manhã indo trabalhar

https://youtu.be/Lo_QtrFaxyg Assaltos a pontos de ônibus e a qualquer hora do dia. Quem mora em Nova Carapina II está tendo que conviver com este problema...

Onda de roubos e arrombamentos deixa Manguinhos aterrorizado

A comunidade de Manguinhos está aterrorizada. Isto porque somente de março a novembro já foram mais de quarenta casas e comércios arrombados na vila...

Você também pode ler

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!