27.1 C
Serra
terça-feira, 31 de março de 2020

Terminal da Vale na zona rural da Serra diversifica operações de carga

Leia também

Mais um paciente está curado do coronavírus no ES, diz governo

Dos 85 casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, 13 pacientes já estão curados da doença. A afirmação é...

Moradora de Valparaíso preocupada com aglomeração de pessoas em feira orgânica do bairro

Uma moradora de Valparaíso que não quis se identificar está preocupada com o número de pessoas que se aglomeram...

Supergasbras diz que não vai haver desabastecimento de gás no ES

    Um vídeo tem circulado em redes sociais e grupos de whatsapp desde a noite da última segunda (30). No...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Três silos gigantes de lona foram instalados em Aroaba, que além do ferro-gusa agora opera com fertilizantes. Foto: Divulgação

Localizado na área rural do município em Aroaba e nas proximidades de onde está sendo implantado o Contorno do Mestre Álvaro, o Terminal Multimodal da Vale diversificou suas operações de carga. Há alguns meses, além do ferro-gusa, o espaço está sendo usado para armazenamento de fertilizantes químicos.

O TEMPO NOVO esteve no Terminal, que fica na estrada de Muribeca, já perto da divisa da Serra com Santa Leopoldina e Cariacica, na tarde da última terça-feira (5), e constatou que foram instalados três grandes silos cobertos por lonas brancas, que armazenam os produtos que chegam no formato granel.

De acordo com funcionários locais e caminhoneiros que falaram com o TN sob a condição de não terem o nome divulgado, são três os tipos de adubos: ureia, KCL (cloreto de potássio) e MAP (fosfato monoamônico). Eles contaram que o material é importado e chega pelo porto de Capuaba, em Vila Velha, sendo levado até Aroaba por caminhões truck e carretas basculantes. Os veículos chegam pela BR 101 e entram na estrada rural de Muribeca, entre a Serra Sede e o posto da PRF.

No Terminal, que é mais conhecido na região como pátio de ferro-gusa da Vale, as substâncias químicas são armazenadas nos silos. Dali, elas são embarcadas no trem – a ferrovia Vitória-Minas passa ao lado da estrutura – e levadas para a região Centro Oeste do país, onde são empregadas como insumo do agronegócio.

Por sua vez, o armazenamento de ferro-gusa continua acontecendo no pátio. De acordo com outro funcionário da Vale, que também topou falar se não tivesse o nome revelado, o ferro-gusa é um produto industrial obtido a partir do processamento de minério de ferro e é matéria-prima para a fabricação do aço.

O ferro-gusa que circula no pátio vem de trem de siderúrgicas de Minas Gerais. É armazenado no pátio de Aroaba e, também por modal ferroviário, levado ao porto de Tubarão para exportação e para atender demanda da ArcelorMittal Tubarão. Nem esse funcionário nem outras pessoas que trabalham em Aroaba ouvidas pela reportagem souberam dizer se também há escoamento de ferro-gusa para outros portos do Espírito Santo. Também não informaram se são usados caminhões para o translado do gusa em terras capixabas.

Naja

As operações no pátio da Vale em Aroaba estão sendo feitas pela empresa Naja Controle e Serviços de Carga. O site da Naja diz que a empresa foi criada por um empreendedor que prestou serviços por 35 anos à Vale e que é especializada na movimentação de carga no Terminal Multimodal de Aroaba.

A reportagem ligou diversas vezes para o telefone disponível no site da Naja, mas mensagem indicava que o telefone não estava apto a receber chamadas. Ontem (7), a equipe do TN foi à sede da empresa num prédio em Jardim Camburi, Vitória. Mas a Naja se mudou de lá e funcionários do condomínio não souberam informar o destino.

Já a Vale, em nota enviada por sua assessoria de imprensa, disse que “não comenta relações comerciais específicas em função de cláusulas de confidencialidade”.

Gargalos ambientais 

A Vale e a Naja estão enfrentando dois gargalos ambientais na região de Aroaba: um é a reclamação de moradores e produtores rurais ao longo da estrada de Muribeca sobre a poeira gerada pelo tráfego de caminhões; o outro é a denúncia desses mesmos moradores sobre o arraste de fertilizantes para córregos da região, que deságua no rio que abastece Serra e Vitória, o Santa Maria.

Comentários

Mais notícias

Moradora de Valparaíso preocupada com aglomeração de pessoas em feira orgânica do bairro

Uma moradora de Valparaíso que não quis se identificar está preocupada com o número de pessoas que se aglomeram nas feiras livres, em especial,...

Supergasbras diz que não vai haver desabastecimento de gás no ES

    Um vídeo tem circulado em redes sociais e grupos de whatsapp desde a noite da última segunda (30). No vídeo, o motorista de caminhão...

Serra deve receber hospital de campanha para pacientes com Covid-19

Com previsão para entrega em 15 dias, a Serra pode ter o seu hospital de campanha, para atendimento às suspeitas e aos infectados com...

PDT nega aproximação com Rodrigo Caldeira

Lideranças do Partido Democrático Trabalhista (PDT) reagiram a matéria publicada no Tempo Novo, nesta segunda-feira (29), dando conta de que o presidente da Câmara...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem